Para Gartner, operadoras pagarão caro para enfrentar VoIP

A revolução das comunicações de voz pela internet e outras soluções que exploram a plataforma IP vão espremer ainda mais as margens das operadoras de telefonia, segundo avaliou a empresa de pesquisas Gartner. Uma análise indicou que as companhias terão de estreitar ainda mais suas margens de lucro no futuro, à medida que elas passarem a oferecer novos tipos de serviços que se distanciam de seu negócio principal. O Gartner prevê, por exemplo, que as operadoras passarão a registrar queda no crescimento de usuários de banda larga ou de serviços móveis, com crescimento reduzido a apenas 1,7% ao ano em 2010. O faturamento do setor deve crescer muito pouco, saltando de US$ 1,3 trilhão em 2006 para apenas US$ 1,5 trilhão em 2010. Com maior pressão sobre seu negócio principal, as operadoras passarão a investir em novos mercados, como serviços de tecnologia ou IPTV, para compensar as perdas de faturamento dos serviços principais. Exemplos disso podem ser observados em outros mercados. A Telecom Itália está se tornando uma empresa com vínculos cada vez mais estreitos com empresas de mídia, graças a acordos com companhias como Fox, MGM e Sony, para fortalecer a distribuição de conteúdo para seus usuários de banda larga. Já a parceria entre a BT Global Services e a HP está criando um canal de serviços integrados em tecnologia da informação, fortalecendo a hospedagem de aplicações e a oferta de serviços gerenciados.. Mas o Gartner alerta que mais da metade destas iniciativas vai falhar porque muitas operadoras têm conhecimento limitado de sua base de clientes e que têm dificuldades em entender novos modelos de negócio. Outro movimento que deve acontecer é a aquisição de empresas: as operadoras que quiserem diversificar operações em novos mercados irão partir para a compra de novas companhias, além de ampliar o movimento de parcerias com outros fornecedores nas áreas de mídia e serviços de tecnologia.

Agencia Estado,

19 Janeiro 2007 | 11h49

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.