Personal chef

Mistura de personal trainer com professor de culinária, surge o profissional que vai à casa do cliente para treiná-lo no fogão, ensinar a arrumar a mesa, a despensa, escolher ingredientes. O serviço promete pôr em forma tanto os patrões como os empregados

Lucinéia Nunes,

26 Fevereiro 2009 | 13h48

Se você é daqueles que não aguentam mais a comida de casa, ou não faz ideia de como usar os utensílios lindos que decoram sua cozinha, a solução para seus problemas pode ser um personal chef. Munido de avental, ingredientes e apostilas, o profissional tem conquistado espaço entre panelas e fogões em São Paulo. Sua função não é preparar o jantar, mas sim capacitar o cliente a fazê-lo.   Veja também: Receita de couscous doce com salada de frutas Receita de polenta ao funghi Receita de penne com vieiras, aspargos e tomate   As aulas incluem temas como higiene e manipulação dos alimentos, organização da geladeira e da despensa, lista de compras, reaproveitamento de ingredientes, apresentação do prato, arrumação da mesa, substituição de produtos e, claro, o passo a passo de inúmeras receitas. Personal chefs, as primas Mayra e Patrícia Abbondanza, da empresa Dedo de Moça, desenvolveram um programa com cinco aulas em que ensinam desde os cortes básicos ao preparo de caldos que servem de base para sopas, molhos e risotos. A dupla também leva um vaso com ervas frescas para mostrar a diferença no prato e investe nos métodos de cocção. "As pessoas geralmente erram o ponto. Deixam os legumes moles e o peixe seco", conta Mayra, que é engenheira de alimentos e morou dez anos em Nova York, tendo passado pelas cozinhas do Payard e do Jean-Georges. Incentivadas por amigas a abrir a escola, Mayra e Patrícia - que também estudou confeitaria nos Estados Unidos e já teve a própria cafeteria - oferecem serviço personalizado, quer dizer, desenvolvido sob medida para as necessidades de cada família. O preço de uma hora/aula com as chefs da Dedo de Moça é de R$ 120. Entre os clientes há recém-casadas, donas e donos de casa, mas a maioria contrata as profissionais para treinar as cozinheiras domésticas. "Elas se sentem estimuladas, valorizadas e o resultado costuma ser excelente", diz Patrícia. Para não atrapalhar a rotina de trabalho, as aulas são dadas uma vez por semana, durante quatro horas. Assim elas têm tempo para treinar e esclarecer as dúvidas na aula seguinte. Por fim, as chefs fazem um serviço de manutenção, voltando à casa uma vez por mês para renovar as receitas e verificar se surgiram novas necessidades. A primeira cliente a testar os serviços da Dedo de Moça foi a amiga Juliana Kraiser, mãe dos gêmeos Lara e Theo, de 5 anos, que contratou as chefs para treinar suas duas empregadas. "Queria alguém que profissionalizasse o serviço doméstico e foi ótimo", conta Juliana. "Hoje, minha casa é mais organizada, a autoestima das empregadas melhorou, elas perderam o medo do livro de receitas e até meu marido está levando comida para o escritório", comemora Juliana. Depois do curso, as empregadas Maria Isabel da Silva Abreu e Gildene Vitor de Lima viraram fãs dos livros de Jamie Oliver, aprenderam a organizar a despensa, a usar melhor a faca e a surpreender os patrões com um jantar especial toda semana. No último menu-surpresa elas serviram salada de cenoura assada com abacate, sopa de repolho com pão italiano, escabeche frio, arroz integral com frutas secas, bolo de chocolate com chantilly e cassata de creme. "Adoro cozinhar e agora ficou mais fácil", garante Maria Isabel. "Não estraga mais nada na geladeira. Se tem um pedaço de queijo, arrumamos uma receita para ele", conta Gildene. Dona do bufê Ideia Gourmet, a chef Márcia de Paula trocou a odontologia pela cozinha e, entre inúmeras atividades, também atua como personal chef. Depois de um bate-papo para saber "os gostos e desgostos" culinários de seu cliente ela parte para as aulas interativas, que podem ser para casais, grupos de amigos ou cozinheiras. "Ensino como transformar o trivial em algo fantástico ou a preparar um cardápio típico", diz Márcia, que recentemente deu aulas para uma jovem que foi morar em outro Estado e precisava se virar na cozinha. Há quem peça aulas específicas de pães, massas, doces ou risotos. O preço do curso varia conforme o tema escolhido, explica a profissional. Mas todos recebem dicas de apresentação, higiene, técnicas e aproveitamento. "Um molho à bolonhesa, por exemplo, pode ir no espaguete ou na lasanha, assim como o molho mostarda combina com bisteca de porco e peito de frango", diz Márcia. Para atender aqueles que querem comer melhor e com variedade em casa, a professora Valéria Garcia, da escola de culinária Béth Soâres Paladar & Requinte, mostra como aprimorar o cardápio. O aluno escolhe se prefere ter aulas em casa, para conhecer melhor os próprios utensílios e o fogão, ou ir à escola. Valéria cobra R$ 380 por uma aula particular com duração de três horas. O menu é sempre personalizado e a chef também explica como arrumar a geladeira e o freezer ou até como passar à empregada parte do serviço de preparação dos pratos, o mis-en-place, como se diz no jargão da cozinha. "A finalização pode ser feita com charme diante dos convidados", observa Valéria, que transformou uma cozinheira em expert em apenas dez dias. "A patroa gostou tanto que agora quer um menu light", informa a chef, que aproveita a oportunidade para dar dicas à dona de casa de como receber, ou à empregada sobre postura profissional. Dicas da Márcia Corte e porcione os ingredientes, separando-os em potinhos conforme a sequência do uso. Assim fica mais fácil seguir a receita. Mantenha a receita à mão e não hesite em checar se está fazendo tudo que ela manda. Monte a comida em pratos, deixando sempre um pouco de espaço vazio. Ponha cor no prato: decore com ervas, pimenta-do-reino em grãos, gotinhas de azeite. Apelo visual é muito importante. Carinho e energia suave são ótimos temperos. www.ideiagourmet.com.br   Dicas da Valéria Não misture diferentes pratos cremosos na mesma refeição, como estrogonofe, feijão e creme de milho. Etiquete tudo que for para o freezer. Ponha o nome do prato ou ingrediente, data de produção e validade. Isso facilitará o trabalho na hora de procurar. Antes de ir às compras, prepare a lista atento aos alimentos disponíveis em casa, para evitar que os produtos do estoque ultrapassem o prazo de validade. Use produtos da época, que além de mais saborosos, são mais baratos. www.bspaladarerequinte.com.br

Mais conteúdo sobre:
Paladar

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.