PM depõe sobre sumiço de arma, achada com PCC

O cabo da Polícia Militar Jurandir de Souza Xavier, de 40 anos, prestou depoimento ontem de manhã no Comando de Policiamento de Área Metropolitano (CPA-M3) sobre o desaparecimento de sua pistola calibre 380. A arma foi encontrada com Carlos Antonio da Silva, de 30 anos, o Balengo, líder do Primeiro Comando da Capital (PCC), morto em 7 de novembro no assalto mais violento do ano no Estado de São Paulo. Houve perseguição, tiroteio e reféns. O caso aconteceu em Guarulhos, na Grande São Paulo, e na zona norte da capital paulista, e deixou três mortos e 12 feridos. Entre os mortos está o soldado Ailton Tadeu Lamas, de 44 anos. A ação foi tão violenta que os bandidos quase derrubaram o helicóptero da PM com um tiro de fuzil. A 5ª Sessão do Estado-Maior da Polícia Militar informou que Xavier foi ouvido pelo comandante do 5º Batalhão, coronel José Luiz Sanches Verardino responsável pelo Inquérito Polícia Militar (IPM) que apura o caso. O teor do depoimento não foi divulgado. O cabo registrou o furto da pistola calibre 380, número KYC 63562, no último dia 5, quase um mês depois do roubo ao banco. Segundo a mulher do PM, a gerente Alessandra da Silva, de 35 anos, o marido só deu falta da arma nesse dia porque foi chamado ao Batalhão para que fosse realizado o recadastramento da pistola. ?Meu marido está de licença médica há três meses. O salário dele foi reduzido. Passamos necessidade, mas ele não faria uma coisa dessas (vender ou emprestar a arma para criminosos para pagar as nossas contas)?, disse Alessandra. As informações são do Jornal da Tarde.

AE, Agencia Estado

17 Dezembro 2008 | 09h45

Mais conteúdo sobre:
criminalidade SP PCC

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.