Ir para o conteúdo
ir para o conteúdo
 • 
Você está em Notícias >
Início do conteúdo

Polícia fará operação em 14 favelas no Rio

04 de fevereiro de 2014 | 19h 16
MARCELO GOMES - Agência Estado

Horas depois do ataque à UPP Parque Proletário, a cúpula da segurança pública se reuniu com o secretário José Mariano Beltrame para traçar o plano de resposta ao Comando Vermelho. Ficou acertado que as polícias Militar e Civil vão fazer operações em 14 favelas controladas pela facção por tempo indeterminado, até que os atiradores sejam presos. A Polícia Civil fará incursões nos complexos do Alemão e da Penha, com homens da Coordenadoria de Recursos Especiais (Core). Nas outras favelas, as ações ficarão a cargo da PM.

Em entrevista depois do enterro da soldado Alda Castilho, Beltrame disse que pode rever o esquema de policiamento em UPPs com mais de 100 mil habitantes.

"Temos alguns incidentes, especialmente nas UPPs com mais de 100 mil habitantes. Elas são maiores que 80% dos municípios brasileiros. E dentro de uma área praticamente sem organização nenhuma, o que facilita a ação do tráfico de drogas. Sem contar que, durante 30, 40 anos, essas facções não receberam o devido tratamento do Estado. Sofremos uma covardia: uma policial foi covardemente atingida pelas costas. Essa morte não foi só dela. A sociedade toda foi atingida pelas costas", afirmou o secretário.

Beltrame criticou indiretamente os órgãos federais responsáveis pelo controle das fronteiras do País e as leis de execução penal ao ser questionado se o programa das UPPs está em crise.

"Armas, munições e drogas não são feitas no Rio. As ordens vêm dos presídios. Pessoas presas voltam rapidamente às ruas porque a lei legitima isso. Então, por que só as polícias do Rio têm que falar das consequências dessas etapas que acabei de narrar?", disse o secretário, que descartou pedir auxílio de forças federais.

O chefe de Polícia Civil, delegado Fernando Veloso, disse que alguns bandidos que participaram do ataque à UPP já foram identificados. A principal linha de investigação é a de que a ordem para o ataque teria partido de chefes da facção que estão em presídios federais de segurança máxima.



Tópicos: UPP, Rio

Estadão PME - Links patrocinados

Anuncie aqui

Siga o Estadão




Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo