Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Geral » Polícia reabre caso de morte de miss mirim que chocou EUA há 14 anos

Estadão

Polícia reabre caso de morte de miss mirim que chocou EUA há 14 anos

Assassinato de JonBenet Ramsey a golpes de porrete e estrangulamento permanece não resolvido desde o Natal de 1996.

0

BBC Brasil,
BBC

06 Outubro 2010 | 06h36

Assassinato de JonBenet chocou os EUA e permanece não resolvido

A polícia do Colorado, nos Estados Unidos, está conduzindo uma nova rodada de entrevistas para tentar esclarecer a morte de uma miss mirim que chocou o país no Natal de 1996.

Segundo a imprensa americana, o caso será retomado por recomendação de um comitê formado por investigadores de diversos Estados e agências de segurança, que reavaliou no ano passado as evidências da morte de JonBenet Ramsey.

A menina tinha seis anos de idade quando foi encontrada morta a golpes de porrete e estrangulada na casa da família, em Boulder, no dia 26 de dezembro há 14 anos.

O assassinato se tornou um dos mais proeminentes crimes não-resolvidos da história recente americana.

Na época da morte da garota, um bilhete pedindo um resgate no valor de US$ 118 mil (cerca de R$ 200 mil) foi encontrado dentro da casa da família.

Os pais de JonBenet, John e Patsey Ramsey, foram incluídos em um "guarda-chuva de suspeitos".

Só dois anos atrás a polícia, usando testes de DNA, descartou a hipótese de o assassino ser parte da família e se desculpou pelos "anos de desconfiança" que ambos tiveram de enfrentar.

Caso reaberto

O chefe da polícia do Colocado, Mark Beckner, disse ao jornal local "Camera" que a nova rodada de investigações incluirá "novos contatos e entrevistas com quem quer que possa ter informações relevantes sobre o caso".

Karr disse que violentou e matou garota, mas polícia não acreditou

Entretanto, o procurador de Denver e analista legal Scott Robinson ressalvou que ainda é cedo para supor que a polícia tem novas informações sobre o assassinato.

"O que é absolutamente correto é dizer que eles não vão deixar esse caso cair no esquecimento", declarou Scott à imprensa americana.

Segundo diversos relatos, o pai de JonBenet e seu irmão de 23 anos, Burke - que tinha nove anos na época do assassinato -, devem ser listados como testemunhas. A mãe de JonBennet morreu de câncer em 2006.

Naquele mesmo ano, em uma operação que ganhou grande destaque no noticiário mundial, um ex-professor procurado por pedofilia, John Mark Karr, foi preso em Bangcoc, na Tailândia, em conexão com o caso.

Ele disse que violentou e matou JonBenet, mas alegou que a morte da menina havia sido um acidente.

Karr foi liberado após exames de DNA não confirmarem que ele estava na cena do crime. A ex-esposa do suspeito dizia desde o início ter passado toda a temporada do Natal de 1996 ao lado dele no Estado de Alabama.

Há relatos de que Karr mudou de sexo depois do episódio. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.