1. Usuário
Geral
Assine o Estadão
assine


Policiais buscam empresário ligado a balsa que afundou na Coreia do Sul

JU-MIN PARK - REUTERS

11 Junho 2014 | 09h 14

Milhares de policiais e promotores sul-coreanos fizeram uma ofensiva em um complexo religioso pela segunda vez, nesta quarta-feira, buscando, sem sucesso, um empresário ligado à empresa proprietária da balsa que naufragou no país em abril, matando centenas de pessoas.

Helicópteros sobrevoavam a área enquanto policiais vasculhavam os vários prédios do grande complexo, que se acredita tenha o tamanho de 12 campos de futebol. Religiosos seguiam os policiais, alguns cantando hinos e outros bradando “Vamos lutar contra os promotores e a polícia!”.

O empresário Yoo Byung-un, que também é fotógrafo e já foi preso por fraude, é o homem mais procurado da Coreia do Sul.

Yoo, que tem mais de 70 anos e é cofundador da igreja dona do domínio www.god.com, é procurado por acusações de fraude contábil, negligência e evasão de impostos. Ele é ligado a uma rede de holdings de negócios, a I-One-I, empresa de investimentos que pertence a seus filhos e era dona da companhia de navegação Chonghaejin Marine.

A Chonghaejin Marine é a proprietária da balsa Sewol, que afundou na costa sudoeste da Coreia do Sul em 16 de abril em uma viagem de rotina.

Dos 476 passageiros e tripulantes a bordo, 339 eram crianças e professores da mesma escola. Apenas 172 pessoas foram resgatadas, e presume-se que o restante se tenha afogado.

(Reportagem adicional de Sohee Kim e Joyce Lee)