Poluição é perigosa para a saúde, mesmo em níveis baixos

Pesquisa britânica diz que perigo se mantém, mesmo com queda dos poluentes no ar

BBC Brasil, BBC

31 Julho 2007 | 13h23

Até mesmo níveis baixos de exposição à poluição do ar podem aumentar o risco de uma morte prematura, segundo uma pesquisa britânica. Uma equipe liderada pelo Imperial College de Londres analisou as taxas de mortalidade entre 1982 e 1998, comparando estas taxas com os índices de exposição à fumaça preta e ao dióxido de enxofre. Apesar de a poluição do ar ter diminuído nas últimas décadas, o risco de uma morte prematura permaneceu, segundo o estudo feito em 5 mil britânicos e publicado na revista especializada Thorax. Os especialistas também sugeriram que a poluição possa estar ficando mais tóxica. Os pesquisadores analisaram as taxas de mortalidade em quatro períodos diferentes - entre 1982-86, 1986-90, 1990-94 e 1994-98. Eles também observaram a exposição a poluentes do ar analisando a qualidade do ar em registros nacionais nos 16 anos anteriores a estes períodos. Os cientistas descobriram que os níveis de fumaça preta - que contém carbono que não foi queimado, de processos industriais e do trânsito - eram cinco vezes menores no último período do que no primeiro. Também foi verificado que os níveis de dióxido de enxofre caíram a um quarto do que eram antes Apesar disso, observaram os pesquisadores, o risco de morte permaneceu constante. Durante os quatro períodos analisados, o aumento no risco de morte para aqueles que vivem em áreas com níveis mais altos de poluição do que a média ficou abaixo de 10% para os dois poluentes. O risco de morte prematura devido a doenças respiratórias aumentou de menos de 10% no primeiro período para 19% no caso da fumaça preta; e, de pouco mais de 10% para mais de 20%, quando a causa é dióxido de enxofre. Os números se mantiveram mesmo depois que os pesquisadores ajustaram a pesquisa para fatores que reconhecidamente aumentam as chances de morte prematura, como baixa condição social. "As descobertas apontam para o contínuo risco de saúde pública mesmo nos níveis relativamente baixos de fumaça preta e dióxido de enxofre que agora ocorrem", disse o pesquisador-chefe Paul Elliott. "Ainda não está clara a razão da permanência do risco de morte prematura, pode ser devido ao fato de a poluição ter mudado e ficado mais tóxica", acrescentou. "Esta é uma pesquisa muito interessante. Existem várias explicações para o que foi mostrado. Existem provas que sugerem que a natureza da poluição mudou, então, apesar dos níveis em queda, causa mais danos", disse Richard Russel, da Sociedade Torácica Britânica. "Pode estar relacionado também à nossa reação à poluição, talvez nos últimos 40 anos tenhamos ficado mais suscetíveis. (...) Precisamos de mais pesquisas nesta área", acrescentou.    BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Mais conteúdo sobre:
poluição do ar higiene fumaça

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.