1. Usuário
Geral
Assine o Estadão
assine

Portela empolga e Vila Isabel decepciona no segundo dia de desfiles na Sapucaí

O Estado de S. Paulo

04 Março 2014 | 06h 08

Em seu melhor desfile dos últimos anos, a Portela deixou a Marquês de Sapucaí aos gritos de 'é campeã', assim como o Salgueiro, que se apresentou no dia anterior

No seu melhor desfile dos últimos anos, a Portela deixou a Marquês de Sapucaí aos gritos de "é campeã", assim como o Salgueiro, que se apresentou no dia anterior. A tradicional escola do subúrbio de Madureira elaborou um enredo sobre a Avenida Rio Branco, via localizada no centro do Rio, seu entorno e as mudanças pelas quais a região passou nos últimos séculos.

Uma escultura de 18 metros, simbolizando um gigante adormecido que acordou - referência às manifestações de rua, de junho de 2013 -, foi a maior alegoria que já passou pelo sambódromo do Rio.

Já a Unidos da Tijuca, que encerrou a festa, homenageou o piloto Ayrton Senna e levou para a avenida carros coreografados que não encantaram o público.

Acostumada a fazer desfiles tecnicamente perfeitos, a Imperatriz Leopoldinense cometeu erros na condução de seus carros alegóricos, o que deve comprometer sua pontuação. A escola contou a história do ex-jogador Zico e proporcionou bons momentos no sambódromo. Destaque para a comissão de frente, com 15 meninos lembrando o início da carreira do craque, e uma alegoria de pebolim (totó) humano, que também recebeu muitos aplausos. Torcedores do Flamengo, clube pelo qual Zico se consagrou, ajudaram a "empurrar" a escola.

Atual campeã do carnaval carioca, a Vila Isabel foi a grande decepção da noite, com carros alegóricos inacabados e alas com fantasias incompletas. A apresentadora Sabrina Sato, rainha de bateria da escola, recebeu sua fantasia minutos antes do início da exibição. Logo na primeira ala, parte dos componentes estava sem adereços de cabeça, o que deve resultar em perda de pontos.

Antes da Vila, desfilaram Mocidade Independente e União da Ilha. Com um desfile leve, que remetia a infância, a Ilha agradou o público do Sambódromo, que aplaudiu a criatividade das alegorias simples e de fácil compreensão. O ponto alto do desfile foi a comissão de frente. Uma bailarina e um soldadinho de chumbo presos por varas flexíveis, que pareciam flutuar.

Primeira a entrar na Sapucaí, ainda na noite de segunda-feira, a Mocidade prestou uma homenagem dupla: ao carnavalesco Fernando Pinto, responsável por carnavais da escola entre 1980 até sua morte, em 1987, e ao estado de Pernambuco, onde ele nasceu. O carnavalesco Paulo Menezes tentou uma releitura de "Ziriguidum", que tinha como mote a conquista do espaço sideral, na comissão de frente e no abre-alas, mas que em 2014 ficou retrô.

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo