Precariedade da Biblioteca Nacional leva a protestos

Dezenas de servidores da Biblioteca Nacional aproveitaram o horário do almoço desta quarta-feira para denunciar condições precárias de funcionamento do prédio da instituição, inaugurado em 1910. Eles protestaram vestidos com fantasias de diabo e balançando leques na escadaria da instituição, em alusão ao calor "infernal" no ambiente de trabalho e pesquisa. Faixas criticavam as condições de segurança do prédio e pediam a intervenção da ministra da Cultura, Marta Suplicy.

FELIPE WERNECK, Agência Estado

19 Dezembro 2012 | 20h09

"A biblioteca está em risco. Nada mudou desde o vazamento que ocorreu em maio no armazém de periódicos", afirmou Lia Ramos Jordão, vice-presidente da Associação dos Servidores da Fundação Biblioteca Nacional (FBN). Segundo ela, os tapumes que cercam o prédio centenário só foram colocados após determinação da Defesa Civil, para evitar que o reboco caia sobre pedestres.

"Essa manifestação é para divulgar e conscientizar a população e as autoridades do nosso problema. Queremos soluções urgentes para questões muito graves que têm acontecido em relação ao patrimônio e ao acervo", acrescentou Lia. Segundo ela, as "condições precárias são resultado de muitas décadas de deterioração, em que não houve a devida manutenção".

Funcionária desde 1990, a bibliotecária Suzana Martins, que trabalha com acervos raros, afirmou que a Real Biblioteca de d. João VI, maior coleção de livros raros da América Latina, corre perigo nas atuais condições em que é guardada. "Há obras dos séculos 17 e 18 definitivamente destruídas por conta da falta de manutenção e de uma política de conservação. É uma grande ameaça à nossa cultura."

A FBN divulgou uma nota para rebater os questionamentos, informando que mantém permanente monitoramento de temperatura das áreas com guarda de acervo. "Além disso, a FBN informa que a reforma do sistema complementar de ar-condicionado foi concluída dia 17 de novembro e desde então está em fase de teste. O teste definitivo será feito nos dias 23 e 24/12", acrescentou.

Mais conteúdo sobre:
Biblioteca Nacional protesto

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.