Programa de computador é jogador de damas invencível

Chinook capaz de calcular todas as posições do jogo, a partir de uma posição com dez peças no tabuleiro

Associated Press,

19 Julho 2007 | 19h29

Pesquisadores canadenses afirmam ter "resolvido" o jogo de damas, criando um programa de computador, chamado Chinook, que não pode ser derrotado. "O programa pode, no mínimo, empatar com qualquer oponente, não importa se joga com as brancas ou as pretas", os cientistas afirmam, na revista Science.     Veja também:    Jogue contra Chinook (em inglês)   "O mundo não vai mudar por causa disso", reconhece Jonathan Schaeffer, presidente do Departamento de Ciência da Computação da Universidade de Alberta. O que é importante, diz ele, é o método pelo qual o resultado foi obtido.   No passado, explica, programas jogadores de damas usavam soluções genéricas - que dão certo na maior parte das vezes - para tomar decisões.   "O que mostramos é que é possível pegar problemas que não são óbvios, problemas muito grandes, e usar o raciocínio à perfeição. Não há erro nos resultados do Chinook - ele está certo 100% do tempo".   A equipe de Schaeffer começou com um fim de jogo com apenas uma peça no tabuleiro. Em seguida, analisou todas as posições possíveis com duas peças, e avançou até dez peças. As combinações de dez peças oferecem 39 trilhões de desfechos possíveis para o jogo, disse ele. Chinook pode calcular todos.   Não importa como o jogo se desenvolve até o ponto em que só restam dez peças no tabuleiro - a partir daí, Chinook é incapaz de errar.   E quanto ao xadrez? Os computadores que jogam xadrez ainda se valem de princípios gerais, e não tentam calcular todas as saídas possíveis para o jogo.   "Damas tem, aproximadamente, a raiz quadrada do número de posições do xadrez", dizem os pesquisadores que criaram Chinook. Eles afirmam que nenhuma tecnologia atual é capaz de computar tantas posições.   Na próxima semana, Polaris, um programa jogador de pôquer, também criado pela equipe de Schaeffer, desafiará dois profissionais do carteado por US$ 50.000.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.