Projeto que acaba com Exame da Ordem volta para CCJ

O plenário da Câmara dos Deputados rejeitou um requerimento de urgência para o projeto que acaba com a obrigatoriedade do Exame da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) para o exercício da profissão de advogado. Com isso, a proposta voltará para a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). Foram 233 votos contrários a urgência, 145 favoráveis e 6 abstenções.

EDUARDO BRESCIANI, Agência Estado

04 Dezembro 2012 | 20h56

Autor da proposta, o deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) argumentou que o exame seria injusto por impedir que bacharéis em direito exerçam a profissão. "O curso de Direito é o único entre todos os de nível superior em que quem se forma não tem direito de exercer a profissão".

O líder do PSDB, Bruno Araújo (PE), defendeu posição contrária. "Ninguém se forma advogado, se forma bacharel em Direito, que se ramifica para várias áreas de atuação", disse. "A Ordem preserva a qualidade da profissão e é uma entidade importante para a democracia", completou.

Parlamentares que defenderam a rejeição da urgência argumentaram que a própria Ordem estaria disposta a fazer alterações no exame. Uma delas seria permitir que um bacharel reprovado na segunda fase do exame seja dispensado de fazer novamente a primeira fase no teste posterior.

O projeto foi apresentado pelo deputado Eduardo Cunha no ano passado depois de a OAB ter aprovado uma moção contra a sua indicação para a função de relator do Código de Processo Civil. Cunha, investigado em inquérito no Supremo Tribunal Federal (STF), acabou sendo retirado da função pelo líder do PMDB, Henrique Eduardo Alves.

Mais conteúdo sobre:
Câmara exame da ordem OAB

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.