1. Usuário
Geral
Assine o Estadão
assine

Protresto em favela do Rio deixa dois feridos

LUCIANA NUNES LEAL E THAISE CONSTANCIO - Agência Estado

07 Janeiro 2014 | 18h 45

Um manifestante e um policial foram feridos na noite de segunda-feira, 6, durante protesto contra falta de luz e água no Morro da Matriz, no Engenho Novo (zona norte). A confusão começou quando os moradores interditaram um dos acessos à favela e policiais da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) tentaram liberar a passagem de veículos. O morador Maykon do Nascimento Renz, frentista de 24 anos, foi atingido de raspão no peito por uma bala.

Em nota, a Coordenadoria de Polícia Pacificadora (CPP) informou que Maykon foi ferido por um tiro acidental, quando tentou pegar a arma de um policial. A mesma bala, segundo a nota, atingiu o braço de um policial militar. Vizinhos disseram que Maykon foi cercado por PMs ao chegar ao morro e, quando tentou se desvencilhar, acabou atingido de raspão. O caso foi registrado na 25ª DP (Engenho Novo) e o PM responsável pelo disparo foi autuado por lesão corporal culposa (sem intenção). O comando da UPP anunciou que também vai investigar as circunstâncias do disparo.

Favela do Metrô

Na manhã de desta terça-feira, um protesto de moradores da Favela do Metrô, na Mangueira (zona norte), interditou a Avenida Radial Oeste por mais de uma hora. No início da tarde, houve tumulto e discussão entre manifestantes. PMs usaram gás de pimenta e bombas de efeito moral em reação aos moradores que jogaram ovos e garrafas de vidro nos policiais. Três pessoas foram levadas para a 18ª DP (Praça da Bandeira) e autuadas por desacato.

Manifestantes atearam fogo em restos de lixo e usaram colchões para bloquear a via. Eles protestavam contra a demolição de casas iniciada ontem pela prefeitura. As casas ficaram vazias depois que moradores foram levados para unidades do programa Minha Casa, Minha Vida, em 2011. Mas, como não foram logo demolidas, acabaram ocupadas por outras famílias, que vivem às margens da linha do trem. Os ocupantes das casas reclamaram que não foram avisados sobre a demolição e que não conseguiram tirar os pertences das residências. "Derrubaram a parede da minha casa com tudo que eu tinha dentro, não consegui tirar nada. Não tenho mais onde morar", disse uma moradora aos prantos. A prefeitura informou que as famílias serão levadas para abrigos, se não tiverem para onde ir.

No fim de semana, na mesma região, moradores da favela de Mangueira fizeram protestos, com um ônibus incendiado, contra a morte de um morador do morro. A Polícia Militar diz que Wellington Sabino Vieira, de 20 anos, morto no sábado, 4, estava armado e atacou policiais. Moradores negam que Wellington fosse ligado ao crime e afirmam que o jovem foi perseguido pela polícia.

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo