Quadrilhas da Web contratam estudantes para cibercrimes

Quadrilhas organizadas adotaram táticas da KGB para contratar estudantes brilhantes de computação com o objetivo de usar seus talentos em crimes pela internet, afirma um estudo divulgado na sexta-feira, dia 8. Criminosos estão definindo como alvos desse "recrutamento" universidades, clubes de computação e fóruns de discussão online, segundo a empresa de segurança de computadores McAfee. Alguns grupos têm patrocinado estudantes promissores de outras disciplinas em cursos de computação antes de infiltrá-los em organizações. A McAfee informou que os estudantes programam vírus de computadores, cometem roubos de dados pessoais e lavam dinheiro em uma indústria multibilionária que é mais lucrativa que o tráfico de drogas. As táticas das quadrilhas recuperam estratégia usada por agentes russos para captar especialistas em conferências de comércio ou universidades durante a Guerra Fria, informou a McAfee em relatório anual. "Embora as organizações criminosas possam ter menos experiência e acesso necessário para crimes eletrônicos, elas têm recursos para comprar as pessoas necessárias para fazê-lo", afirma a McAfee, que informou que o estudo foi baseado parcialmente em dados do FBI e de agências de inteligência européias. No leste europeu, algumas pessoas são levadas ao cibercrime por causa dos níveis elevados de desemprego e salários baixos. "Muitos destes cibercriminosos vêem a internet como uma oportunidade de trabalho", afirma a McAfee citando o especialista em segurança do FBI em Internet, Dave Thomas. Técnicas Hackers são pagos para criarem vírus de computador capazes de infectar milhões de máquinas e descobrir informações confidenciais. Esses programas "spyware" podem encontrar números de cartões de crédito ou outras informações pessoais das vítimas. Os dados são então usados por fraudadores. Além disso, criminosos varrem sites de redes sociais em busca de fotos de usuários vinculadas a detalhes pessoais. Essa estratégia ajuda as quadrilhas a encontrar alvos de fraudes onde a vítima recebe e-mails falsos em nome de instituições financeiras e são enganadas revelando dados como senhas. O relatório também afirma que hackers estão sendo cada vez mais contratados para espionarem empresas."Espionagem industrial é um grande negócio", lembrou a McAfee.

Agencia Estado,

11 Dezembro 2006 | 12h05

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.