'Quitandas' para a prateleira

Os nomes são irresistíveis: sequilhos caprichosos, biscoutos mysteriosos, bolo 5-10-15, broinhas 11 xícaras, rosquinhas ótimas. A radialista congonhense Rosaly Senra reuniu quitutes de todos os tempos no livro Quitandas de Minas (Autêntica Editora, BH). Com a sabedoria de quem foi criada comendo quitandas - cresceu cercada das tias no casarão construído pelo avô no centrão da cidade -, Rosaly selecionou quase 400 receitas das matriarcas e de quitandeiras da região. Manteve o clima e a tradição, preservando comentários como "A querida Lete a Cecy offerece. Saudades". As fotos foram produzidas por ela e embelezadas pelo frivolité da querida tia Imene. "Esse resgate todo fez com que eu voltasse a me sentir criança", delicia-se Rosaly. Veja também: Dicionário da quitanda Fornada mineira Elas são boas de farinha e fubá: Maria do Carmo Santos Costa: 'Cubu é forte e sustenta' As Tânias de Ouro: Bolos que acabam rapidinho Florips Oliveira Flores Pinto: Minifábrica no sítio Quitutes: Receita de cubu Receita de bolo de mandioca

Giovanna Tucci,

21 Maio 2009 | 08h52

Mais conteúdo sobre:
Paladar quitanda Congonhas Minas Gerais

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.