Ir para o conteúdo
ir para o conteúdo
 • 
Você está em Notícias >
Início do conteúdo

Rapaz é agredido e acorrentado nu a poste no Rio

Mulher que socorreu o homem divulgou o caso na internet e foi criticada

03 de fevereiro de 2014 | 20h 21
FÁBIO GRELLET - Agência Estado

Um rapaz foi agredido, deixado nu e preso com uma trava de bicicleta a um poste, no Flamengo (zona sul do Rio), na noite da última sexta-feira, 31. Os bombeiros foram chamados e precisaram usar um maçarico para libertar o rapaz, encaminhado ao Hospital Municipal Souza Aguiar, no centro. A mulher que socorreu o rapaz divulgou o caso na internet e foi criticada porque ele, negro, seria integrante de uma gangue que pratica assaltos na zona sul. O rapaz estava sem documentos, segundo os bombeiros, e o caso não chegou a ser registrado na polícia.

O rapaz estava sem documentos, segundo os bombeiros, e o caso não chegou a ser registrado na polícia - Yvonne Bezerra de Mello/Divulgação
Yvonne Bezerra de Mello/Divulgação
O rapaz estava sem documentos, segundo os bombeiros, e o caso não chegou a ser registrado na polícia

"Fizemos uma reunião, para discutir justamente a segurança na região, que terminou por volta das 22h30 da sexta. Um amigo estava indo embora quando me ligou e contou ter encontrado esse rapaz preso no poste, ferido e nu. Eu fui até lá, chamei os bombeiros e aguardei o atendimento. O rapaz estava nervoso e mal conseguia falar, mas contou ter sido agredido por um grupo que estava de moto e fugiu", narra a artista plástica Yvonne Bezerra de Mello, que socorreu o rapaz.

"Os bombeiros chegaram e socorreram o rapaz, mas eu não acompanhei mais o caso. Quando divulguei as fotos na internet, muita gente veio dizer que ele é ladrão, que tinha que ser punido mesmo. Os furtos na região (do Flamengo) aumentaram muito, eu sei disso, mas não sei quem é o rapaz. Se houver cometido algum crime, quem deve prender é a polícia. Não é possível que as pessoas queiram fazer justiça com as próprias mãos", diz Yvonne, fundadora de uma ONG que atende crianças e adolescentes moradores de áreas de risco. "Não importa quem é a pessoa, não tem cabimento deixar preso num poste. Eu faria a mesma coisa ainda que fosse um cachorro, um gato, qualquer bicho", afirma.



Tópicos: Rio, Agressão, Flamengo

Estadão PME - Links patrocinados

Anuncie aqui

Siga o Estadão




Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo