1. Usuário
Geral
Assine o Estadão
assine


Reintegração de posse no Rio tem confronto com PM

SERGIO TORRES E WILSON TOSTA - Agência Estado

11 Abril 2014 | 07h 49

Quarenta oficiais de Justiça e pelo menos 1600 policiais militares participam da desocupação de quatro prédios da operadora de telefonia Oi, ocupado desde a madrugada de 31 de março por cerca de 5 mil pessoas, no Engenho Novo, zona norte do Rio. A operação começou por volta das 5h e foi marcada por confronto entre os PMs e parte dos moradores, que resistiram atirando pedras nos policiais - alguns dos invasores, inicialmente, saíram pacificamente.

Os policiais jogaram bombas de efeito moral, mas não conseguem entrar no terreno de 50 mil metros quadrados. Sai fumaça negra dos edifícios em ruínas, possivelmente por causa de fogo ateado pelos próprios ocupantes. A ação policial cumpre decisão da juíza da 6ª Vara Cível da Comarca Regional do Méier, Maria Aparecida Silveira de Abreu, que deferiu liminar para reintegração de posse do imóvel.

No início da manhã, uma retroescavadeira iniciou a derrubada dos casebres de madeira e papelão erguidos às pressas pelos invasores. Há dois dias, o prefeito Eduardo Paes (PMDB) definiu a ocupação do terreno como "uma invasão profissional".

"Não conheço favela nenhuma da Telerj e, sim, uma invasão com todas as características que uma invasão profissional pode ter. É um movimento organizado, com pessoas que estão ali loteando, demarcando. Pobre que é pobre, que precisa de casa, não fica demarcando, não aparece com madeirites marcando número", afirmou Paes.