Restaurant Week flerta com a França

Onda do ?ano francês? influencia de doces a polenta

O Estado de S.Paulo

13 Agosto 2009 | 02h41

Já pensou em comer medalhão de filé mignon com molho béarnaise no P.J. Clarke?s? Provar o patê com foie gras no couvert do Antiquarius? Sabia que o Rodrigo, do Mocotó, está usando um maçarico para fazer creme brûlée de doce de leite? Pois prepare-se para tudo isso. A quinta edição da Restaurant Week, que vai de 31 de agosto a 13 de setembro, promete algumas novidades. A organização recomendou que os restaurantes entrem no clima do Ano da França no Brasil, com pratos que flertem com a gastronomia francesa.

Veja a lista completa dos restaurantes que participam da Restaurant Week

Muitos ignoraram a sugestão. Mas há ideias "francesas" bacanas, algumas ousadas e outras apenas tímidas. O Dois Cozinha Contemporânea incluiu uma tuille na banana caramelizada. O mexicano Obá vai oferecer crepes. O AK Delicatessen apostou no cordeiro bourguignonne com spetzel. No Picchi, a polenta vai para a mesa com queijo roquefort em vez de gorgonzola. O Arábia mexeu na tarte tatin. E o japonês Hikouki Sushi não mudou nem criou receitas mas deu um "jeitinho" nipo-brasileiro de participar: simplesmente batizou seu pudim de leite de Monalisa e o trio de sorvetes de Torre Eiffel.

Ao todo, quase 200 restaurantes devem participar do festival inspirado em evento de Nova York que oferece boa comida a bons preços. Em São Paulo, o menu com entrada, prato e sobremesa terá preço fixo de R$ 28,50 no almoço e R$ 40 no jantar.

Resta torcer para que desta vez o evento se torne um pouco mais parecido com seu similar nova-iorquino. Por aqui, nas edições anteriores os clientes puderam sair satisfeitos de apenas alguns restaurantes. Houve até episódios bem desagradáveis. Teve muito "erro de cálculo" no abastecimento dos restaurantes - os pratos promocionais acabavam e os clientes, já acomodados, tinham de pedir um prato do cardápio e gastar mais, ou levantar e ir embora. Houve até chef declarando que com preços baixos só era possível oferecer comida de baixa qualidade. Tudo isso é uma pena, pois a ideia é excelente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.