Romeno é acusado de invadir máquinas do governo dos EUA

Um hacker romeno foi acusado nos Estados Unidos de invadir mais de 150 computadores do governo, causando prejuízos para a Nasa, ao departamento de energia e à marinha que chegam a US$ 1,5 milhão. O FBI (polícia federal norte-americana) indiciou Victor Faur, de 26 anos, morador de Arad, na Romênia, por invasões a computadores e por conspiração. Caso seja considerado culpado, poderá pegar 54 anos de prisão. Faur já era processado por autoridades romenas devido a acusações de invasões de computadores em seu país. Mesmo assim ele será levado a Los Angeles para ser julgado. Não se sabe se Faur contratou um advogado para representá-lo nos EUA. Segundo o governo norte-americano, Faur é o líder de um grupo de hackers intitulado "WhiteHat Team", cujo principal objetivo é invadir computadores do governo dos EUA, pois eles são, teoricamente, as máquinas mais seguras de todo o mundo. Após invadir e tomar o controle dos computadores, Faur programou as máquinas para operarem como salas de bate-papo, para que, assim, ele pudesse se comunicar com outros membros da "WhiteHat", afirmou o advogado assistente do governo dos Estados Unidos Brian Hoffstadt. Os computadores invadidos eram usados para coletar, juntar e analisar dados científicos - incluindo os enviados por sondas espaciais - e avaliar novas tecnologias. As máquinas estão localizadas no Laboratório de Propulsão a Jato, em Pasadena, na Califórnia; Centro de Vôos Espaciais Goddard, em Greenbelt, Maryland; e no Observatório Naval dos EUA, em Washington. Após a invasão, cientistas e engenheiros tiveram de se comunicar manualmente com as sondas e os sistemas dos computadores tiveram de ser reconstruídos.

Agencia Estado,

01 Dezembro 2006 | 17h14

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.