Sai 'livro vermelho' de NY

A edição de 2013 do livrinho vermelho mais influente desde a obra de Mao Tsé-tung saiu nesta terça, avaliando restaurantes e hotéis de Nova York. O aguardado Guia Michelin da cidade americana teve como principal novidade a inclusão de um restaurante na seleta categoria de duas estrelas - o máximo são três-, ao lado de apenas outros seis.

O Estado de S.Paulo

04 Outubro 2012 | 03h12

Considerada a movimentada cena nova-iorquina, é um feito para o Atera, que fica na região do TriBeCa, em Manhattan, e tem só seis meses de existência.

O chef do novo biestrelado é Matthew Lightner, que saiu de Portland, no extremo oposto dos Estados Unidos, para servir no balcão de seu novo restaurante um menu-degustação com pegada natureba e técnica apurada, segundo Pete Wells, crítico do New York Times. No cardápio do chef, são mais de 20 pratos que saem por pelo menos U$ 150, sem taxas, bebidas nem serviço. Em compensação, o Kajitsu caiu de duas para uma estrela.

No andar de cima, o dos restaurantes três estrelas, nenhuma novidade este ano. Permanecem os mesmos: Chef's Table at Brooklyn Fare, Daniel, Eleven Madison Park, Jean Georges, Le Bernardin, Masa e Per Se. Entre os de uma estrela, a lista cresceu de 46 para 52 agraciados. No total, o guia lista 896 restaurantes na cosmopolita capital.

A nova edição marca a estreia do americano Michael Ellis no comando do guia francês. Ele substituiu Jean-Luc Nâret, o responsável por levar o Michelin para fora da Europa e por torná-lo mais democrático. A missão de Ellis é continuar esse legado menos eurocêntrico e exclusivista.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.