Seca afeta 1,2 milhão pessoas na região central da China

Meteorologistas prevêem que o calor vai piorar, e que mê agosto deve registrar temperaturas acima de 40oC

REUTERS

31 Julho 2007 | 10h07

Mais de 1,2 milhão de pessoas da província de Hunan (centro da China) estão enfrentando uma "crise hidráulica" após quatro semanas de seca e calor forte, o que também sobrecarrega o sistema elétrico, disse a imprensa estatal na terça-feira. Hunan vem recebendo 25% menos chuvas do que o normal, e cerca de metade de suas 2 milhões de instalações de armazenamento de água estão com metade da capacidade preenchida. Enquanto isso, 859 reservatórios secaram, segundo a agência estatal de notícias Xinhua. "Changsha, a capital provincial, suspendeu a geração elétrica em todas as usinas hidrelétricas locais para economizar água", disse a agência. Changsha e três outras cidades da província começaram a "semear" nuvens na tentativa de forçar uma chuva artificial, de acordo com a reportagem. Meteorologistas prevêem que o calor ainda vai piorar, e que a maior parte do mês de agosto deve registrar temperaturas acima dos 40oC, informou a Xinhua. A província vizinha de Jiangxi também sofre com a seca, enquanto outras partes da China enfrentam chuvas e inundações que já mataram cerca de 700 pessoas neste ano.

Mais conteúdo sobre:
MUNDO CLIMA CHINA SECA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.