Sharp, LG.Philips e Samsung acusadas de cartel em LCDs

Empresas japonesas e coreanas estão sendo investigadas por envolvimento em um suposto cartel para a venda de telas de cristal líquido (LCD), incluindo aí nomes como a LG.Philips, joint-venture entre as empresas coreana e holandesa, e rivais incluindo a Samsung Electronics e a Sharp. Como reflexo disso, as ações da fabricante sul-coreana de telas de cristal líquido (LCD) LG.Philips caíram para os menores níveis da história na terça-feira, devido à ampliação das investigações sobre possível cartel na fixação de preços por grandes empresas. A Comissão de Comércio Justo do Japão confirmou que está investigando acusações contra as companhias. Além disso, uma joint-venture entre a japonesa Seiko Epson e a Sanyo Electric, especializada em pequenos displays de LCD para telefones móveis e câmeras digitais, faz parte da investigação. O principal regulador da concorrência da União Européia também disse estar analisando possível cartel por produtores de telas finas. A UE não nomeou as companhias envolvidas mas disse que o objetivo "é averiguar se existe evidência de cartel e práticas de preços combinados para esses produtos" que firam as leis do bloco de países europeus. Reflexos Na segunda-feira, a LG.Philips informou que o Departamento de Justiça dos Estados Unidos e a Comissão de Comércio Justo da Coréia também estão investigando a indústria. As ações da LG.Philips negociadas na bolsa de Seul encerraram a terça-feira em baixa de 4,3 por cento, a 25.850 won. Durante a sessão, os papéis chegaram a cair 7 por cento. As ações da Samsung Electronics, cuja unidade de LCD representou menos de 10 por cento do lucro operacional no terceiro trimestre, caíram apenas 0,7 por cento, praticamente em linha com o desempenho do mercado acionário local no dia.

Agencia Estado,

12 Dezembro 2006 | 16h24

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.