Arthur Cagliari/Especial para o Estado
Arthur Cagliari/Especial para o Estado

Plataformas de compartilhamento de carros ganham força no País

Estratégias de compartilhar o carro para cobrir gastos crescem durante a crise; opções incluem colocar o veículo para alugar e dar caronas pagas

Arthur Cagliari, Hermínio Bernardo, Igor Costa e Renato Alban , Especial para o Estado

08 Agosto 2015 | 03h00

Quando a situação financeira aperta, o carro vira muita despesa para uma pessoa só. Tem a parcela, o seguro, o combustível, o IPVA. E a saída para esse volume de contas no fim do mês pode estar justamente em algo que poucos pensam ao adquirir um automóvel: compartilhar. Por meio de plataformas online, há quem esteja conseguindo passar o veículo para o lado das receitas.

A publicitária Mariana Pellicciari, de 27 anos, colocou seu carro para locação há três meses. Com o dinheiro, está pagando as parcelas do consórcio. Mariana vem usando a plataforma Fleety, que permite que pessoas físicas aluguem seus veículos. Por enquanto, o sistema funciona em São Paulo e Curitiba. “Me mudei e, agora, moro perto do meu trabalho”, diz a publicitária. “Estava usando pouco, mas não queria ter de vender.” 

O também publicitário Vinícius Siepierski, de 27, chegou perto de abrir mão do carro para realizar outro sonho. Ele planeja se casar em março de 2016 e está fazendo uma poupança. “Estava querendo juntar uma grana extra e pensei até em vender o carro, mas acabei descobrindo o Fleety.” Em menos de um mês, Siepierski já conseguiu pagar uma parcela do carro com o compartilhamento. 

“Pretendemos expandir o serviço para todo o País até dezembro”, diz o engenheiro André Marim, sócio-fundador da plataforma. O site tem um seguro que cobre eventuais acidentes e problemas. “É uma forma de proteger o motorista e o proprietário”, afirma Marim. 

Carona. Assim como quem aderiu ao Fleety, o estudante Vinícius Rodrigues, de 22, encontrou uma forma de ganhar dinheiro com o próprio carro. “Dou caronas para reduzir os custos de minhas viagens.” Ele faz o trajeto de São Paulo a Soracaba diariamente e usa o site Tripda para encontrar passageiros, cobrando R$ 15 por pessoa. A plataforma sugere o preço e limita um valor máximo com base na viagem, levando em conta os gastos com combustível e pedágios.

Em pouco mais de um ano, o Tripda já tem 70 mil cadastrados no Brasil e está presente em outros 12 países. O aumento do preço do combustível no início deste ano, das taxas de pedágio e passagens de ônibus em junho impulsionaram o número de clientes, diz Daniel Bedoya, presidente de Operações do site no País.

A rede de caronas vem registrando crescimento de 40% no número de viagens realizadas por mês. A ideia do Tripda surgiu de uma plataforma semelhante na Alemanha. Lá, funcionam 140 serviços de compartilhamento de carro, de acordo com a organização nacional do setor.

Compartilhamento. No Brasil, o segmento começou com a Joycar e a Zazcar. As duas empresas se diferenciam das locadoras tradicionais por permitirem o aluguel do automóvel por hora e por operarem totalmente online. Diferente do Fleety e da Tripda, no entanto, pessoas físicas não podem compartilhar seus carros. A Joycar, por exemplo, tem 15 veículos disponíveis e pretende dar mais flexibilidade aos clientes. “Estamos planejando que a pessoa possa pegar o carro em algum canto da cidade e devolver em outro”, diz Rafael Taube, sócio-fundador da Joycar.

As locadoras tradicionais dizem que ainda não sentiram o impacto financeiro da entrada em cena das empresas de compartilhamento. “Mas não descartamos que isso ocorra no futuro. Essa preocupação existe, sim”, afirma o presidente do Sindicato das Empresas Locadoras de Veículos de São Paulo (Sindloc-SP), Eladio Paniagua. 

No primeiro semestre deste ano, a queda na demanda por aluguel de carros – em especial, no segmento de turismo e lazer – resultou numa retração de 15% nas locações. Em 2015, a previsão é de estagnação, diz o presidente do conselho da Associação Nacional de Locadoras (ABLA), Paulo Nemer. O faturamento, segundo ele, deve igualar o de 2014, que foi de R$ 14,72 bilhões.

Já o diretor do sindicato das empresas no Paraná, onde o Fleety foi fundado, Roberto Bacelar, critica a informalidade das redes de compartilhamento. Mas não vê a concorrência dessas plataformas como uma ameaça ao setor. “É uma moda. Esse sistema vai enfraquecer quando os primeiros problemas surgirem. Terão muito trabalho para competir com as locadoras”, diz Bacelar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.