1. Usuário
Geral
Assine o Estadão
assine

SP deve usar 400 milhões de m³ de água do Cantareira

CARLA ARAÚJO - Agência Estado

13 Fevereiro 2014 | 10h 44

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), afirmou nesta quinta-feira, 13, que receberá um estudo da Sabesp ainda hoje para verificar a possibilidade de utilização de 400 milhões de metros cúbicos de água do sistema Cantareira, que não são utilizados normalmente. "Vamos ver quando custa a sucção, bombeamento, bombas, equipamentos e a viabilidade", afirmou.

Questionado sobre a possibilidade de redução de vazão no Sistema Cantareira e mais medidas de restrição de consumo, o governador disse que é preciso aguardar o relatório da Sabesp. "Não tem nenhum fato novo. O que temos é uma boa resposta da população com o bônus, há uso racional da água, todos economizando ajuda a não falta água", afirmou.

O governador esquivou-se de responder possíveis alterações no plano de investimento da empresa e também sobre possíveis mudanças em sua distribuição de dividendos. Perguntado pelo Broadcast se a política de bônus e esses novos investimentos previstos para evitar o racionamento não poderiam impactar no desempenho da companhia, o governador voltou a afirmar que "a Sabesp é uma boa empresa". "(A Sabesp) é uma das maiores de saneamento do mundo, uma empresa eficiente, rentável", disse.

Em evento ontem, Alckmin já havia informado que o governo estadual, que é o maior acionista da companhia, não pretende fazer aportes na empresa, pois ela é "uma empresa lucrativa", disse.

O governador disse ainda que gostaria de "destacar investimentos". Segundo Alckmin, o governo já assinou uma Parceria Público-Privada (PPP) de um novo sistema de água para segurança da região metropolitana, que é o sistema de produção do rio São Lourenço. "Em quatro anos, o setor privado nos aportará 5 metros cúbicos por segundo de água tratada em São Paulo do sistema do São Lourenço", afirmou.

Segundo Alckmin, essa é uma das medidas que trarão segurança de abastecimento para região metropolitana. "É raro no mundo você ter 22 milhões de pessoas, a 700 metros de altitude. Então aqui não tem água, a gente vai buscar água muito longe", afirmou, destacando que Cantareira fica no Estado de Minas Gerais. "Não chove em Minas e você tem problema aqui."

O governador não deu um novo prazo para garantir que não haja racionamento de água. Anteriormente, Alckmin havia afirmado que até o dia 15, o estado estaria livre de racionamento. Ele voltou a reforçar que o problema atual "é localizado no Cantareira". Anteontem, o volume de água do sistema caiu para 19,1% da capacidade, o nível mais baixo da história.

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo