Telefônica planeja testar TV 3D em São Paulo

Sistema funciona em televisores especiais que chegam a custar 18 mil euros no Brasil

12 Agosto 2008 | 00h00

A Telefônica pretende testar ainda este ano em São Paulo um sistema de TV em três dimensões. O serviço será feito em parceria com a TVA e o projeto inicial é de transmitir na regiao dos Jardins, através de um sistema de fibra ótica. Leia mais no caderno Economia & Negócios de hoje. Há aparelhos especiais que reproduzem esse tipo de imagem, mas ainda esbarram no alto preço e serão voltados, inicialmente, ao público corporativo. A tecnologia funciona com filmes em 3D e jogos de computador. A Telefônica demonstrou a TV 3D durante o evento ABTA 2008, em São Paulo, com um aparelho da Philips. Para assistir os programas tridimensionais, o espectador precisa de um televisor especial. O modelo de 42" da Philips sai por 18 mil euros no Brasil, incluindo impostos e frete. Em 2005, o Link publicou reportagem sobre esse tipo de tecnologia. Diferente da proposta da Telefôtnica, os aparelhos possuíam múltiplas "lâminas" de vídeo para que uma tela mostre diferentes programas a diferentes espectadores ao mesmo tempo. Os televisores comuns têm uma resolução de 500 linhas. A maioria das telas de alta definição tem alcance de 1.050 linhas. O HD3D (tridimensional de alta definição) chega a 1.280 linhas – o que significa uma imagem com qualidade superior à de qualquer outro televisor disponível hoje em dia, com uma impressão convincente da terceira dimensão. A empresa alemã Grundig também já apresentou uma TV que exibe imagens em três dimensões. O aparelho possui um filtro integrado, que projeta oito imagens simultaneamente de um mesmo programa ou filme. Assim, dependendo da posição em que estiver, o espectador verá um ângulo diferente da imagem. Para gerar conteúdo para esse novo formato de televisão, a Grundig desenvolveu uma câmera especial. Com apenas duas câmeras do tipo, e com o auxílio de um software específico, é possível captar imagens de diversos ângulos e transmiti-las ao vivo, sem a necessidade de pós-produção.

Mais conteúdo sobre:
televisão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.