‘Todas as formas de entretenimento online são nossos concorrentes’

JEREMY ETTINGHAUSEN,editor de projetos digitais da editora Penguin

Bruno Galo,

11 Agosto 2008 | 00h00

E-books e audiobooks já são uma realidade antiga na editora Penguin, uma das mais tradicionais do Reino Unido, que a partir de setembro pretende sincronizar o lançamento de seus livros em papel com as versões para download. Por e-mail, o editor de projetos digitais da editora comentou sobre o futuro da literatura. Qual o objetivo de vocês com o "We Tell Stories"? Embora estejamos em um estágio inicial, já existem evidências de que o consumo de mídias digitais está alterando a forma como nos informamos e nos divertimos. O projeto We Tell Stories é uma tentativa de transferir as nossas habilidades em edição, marketing e distribuição de literatura do ambiente offline para o online. São representativas as vendas de e-books e audiobooks? Esse mercado é muito maior nos EUA do que no Reino Unido. Nossa filial americana registrou um aumento de 400% nas vendas de e-books em 2008. Já o mercado de audiobooks, principalmente para download, está em forte expansão. Quais são as características de quem consome esses produtos? Devido ao alto preço dos e-books readers, os primeiros adeptos da tecnologia são pessoas que lêem muito. Há uma evidência curiosa que mostra que as pessoas que gastam comprando um e-book reader acabam por comprar mais livros de papel. Já os audiobooks são usados principalmente em momentos nos quais a pessoa não poderia ler, como quando está dirigindo ou como uma alternativa à música. Audiobooks infantis são um forte ‘filão’. As pessoas deixarão de ler livros em papel? Acredito que todas as mídias irão, um dia, se tornar digitais, mas levará tempo. O mais interessante talvez é pensar como a mídia (incluindo os livros) evoluirá ao ser cada vez mais consumida digitalmente. Para a música, nós vimos o fim do álbum: o meio digital permite a compra apenas das faixas que você deseja. Mas é cedo para dizer como essa transição afetará os livros. O que você espera para o futuro? As pessoas tendem a imaginar que as editoras apenas publicam livros. Na Penguin, temos consciência de que nossos concorrentes não são só do setor, mas também o YouTube, o MySpace, o Orkut, o iTunes, a Nintendo, etc. Ou seja, todas as formas de entretenimento online que as pessoas podem escolher para desfrutar durante o seu tempo de lazer. Iniciativas como o We Tell Stories e A Million Penguins talvez sirvam para mostrar como as editoras tradicionais estão atentas às mudanças tecnológicas, sociais e do entretenimento e como queremos ser parte dessa mistura.

Mais conteúdo sobre:
livros

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.