1. Usuário
Geral
Assine o Estadão
assine


Ucrânia marca dia nacional em desafio à Rússia; rebeldes desfilam com capturados

REUTERS

24 Agosto 2014 | 11h 19

A Ucrânia marcou seu dia de independência no domingo com uma marcha militar em Kiev com a intenção de enviar uma mensagem de desafio à Rússia, mas os rebeldes pró-Rússia também provocaram desfilando tropas ucranianas capturadas pelas ruas.

Os eventos rivais foram uma amostra da divisão que antecede o encontro na próxima terça-feira entre os presidentes russo Vladimir Putin e seu equivalente ucraniano, o primeiro em meses. 

As forças ucranianas estão tentando conter uma rebelião separatista pró-Moscou no leste do país, e no domingo intensos disparos de artilharia podiam ser ouvidos na região de Donetsk, que é dominada pelos revoltosos.

Na praça da independência em Kiev - cena dos protestos que tiraram do poder um presidente apoiado por Moscou e iniciaram a crise política, o presidente ucraniano Petro Poroshenko inspecionou colunas de soldados e veículos blindados. 

Algumas das tropas na marcha, segundo Poroshenko, estavam se dirigindo às linhas de frente no leste da Ucrânia.

Em um discurso desafiador e emocionado, Poroshenko disse que seu país estava lutando "uma guerra contra a agressão externa, pela Ucrânia, pela liberdade, por seu povo, e por sua independência". A declaração foi dirigida a Moscou, que segundo Kiev está por trás da rebelião. 

"Está claro no futuro próximo, infelizmente, que uma ameaça militar constante pairará sobre a Ucrânia. E precisamos aprender não só a viver com isso, mas também a estarmos preparados para defender a independência do nosso país". 

Poroshenko anunciou que cerca de 3 bilhões seriam gastos para reequipar o exército entre 2015 e 2017. As forças armadas ucranianas são apenas uma fração do tamanho das forças russas. 

Depois que os protestos derrubaram o líder ucraniano apoiado pelo Kremlin, a Rússia anexou a península ucraniana da Crimeia em março, e partes do leste ucraniano povoadas por russos étnicos se rebelaram contra Kiev. 

Kiev e seus aliados ocidentais dizem que Moscou respondeu aos avanços das forças governamentais ucranianas abastecendo clandestinamente os rebeldes com soldados e armas no leste do país, uma acusação negada pelo governo russo.

(Por Richard Balmforth e Thomas Grove)