1. Usuário
Geral
Assine o Estadão
assine

Ucrânia saúda captura de fortaleza rebelde como momento decisivo no conflito

NATALIA ZINETS - REUTERS

06 Julho 2014 | 10h 53

Autoridades de segurança da Ucrânia disseram neste domingo que estão no controle total da fortaleza de Slaviansk, antigo reduto rebelde. Segundo o presidente Petro Poroshenko, a retomada pode se tornar o momento decisivo na luta contra os separatistas.

Forças do governo expulsaram os rebeldes pró-Rússia da importante cidade no leste da Ucrânia no sábado e hastearam a bandeira azul e amarela novamente.

O número de vítimas não foi imediatamente divulgado, mas as autoridades de segurança ucranianas disseram que não houve mortes entre as forças de segurança do governo.

“As forças ucranianas controlam totalmente as cidades de Slaviansk e Kramatorsk”, disse o funcionário da “operação antiterrorista” Andriy Lysenko a jornalistas, acrescentando que o governo começou a reconstruir a infraestrutura da cidade e a garantir comida e água potável para os moradores.

Slaviansk era o reduto mais forte dos militantes que enfrentam anti-governo no leste da Ucrânia. A maior parte da população do país é de língua russa, intensificado a tensão no que tem sido o grande conflito entre o Ocidente e a Rússia.

A operação representa a vitória mais notável de Kiev em três meses de confrontos, durante os quais mais de 200 soldados ucranianos morreram, assim como centenas de civis e rebeldes.

Em discurso transmitido pela TV na noite de sábado, Poroshenko saudou a vitória como um momento simbólico significativo.

“Essa não é uma vitória completa. Mas a remoção de pessoas armadas até os dentes de Slaviansk tem enorme importância simbólica. É o inicio da virada na batalha contra combatentes pela integridade territorial da Ucrânia”, disse.

Ele afirmou que reféns foram libertados e que uma quantidade significativa de armas foi apreendida.

Mas ele alertou que os rebeldes estão se reagrupando em outras cidades e disse que ele mesmo está longe de se sentir eufórico.

“Há mais desafios pela frente”, disse.