1. Usuário
Geral
Assine o Estadão
assine


Uso das Forças pode ser maior caso haja greve na polícia

LISANDRA PARAGUASSU - Agência Estado

19 Fevereiro 2014 | 20h 46

O uso das Forças Armadas no policiamento das cidades durante a Copa pode ocorrer caso aumente os riscos de greve na Polícia Federal e também nas polícias civis e, principalmente, militares, nos Estados.

A possibilidade real de greve, especialmente entre os Federais, está nos relatórios de segurança preparados periodicamente pela Agência Brasileira de Inteligência (Abin) sobre os riscos para a Copa, e já são conhecidos pelo governo há pelo menos dois anos.

Em 2012, os agentes da PF entraram em greve logo depois da Copa das Confederações, pedido uma negociação para mudança do plano de carreira, mas não foram atendidos. Este ano, já recomeçaram a mobilização, mas ainda sem indicativo de greve.

Dentro do governo, a avaliação é que a crise entre delegados e agentes já levou a tal grau de deterioração na relação que a direção geral perdeu o controle da instituição. E mesmo o Ministério da Justiça não sabe avaliar o grau de insatisfação dentro da polícia.

O uso dos militares ainda não está previsto, apenas em casos excepcionais. A presidente, no entanto, não descarta lançar mão dessa alternativa. A avaliação é que, apesar dos riscos de imagem que seria ter soldados pelas ruas, o sentido de hierarquia e comando nas Forças Armadas é mais forte e não traria surpresas desagradáveis no maior evento do ano.