1. Usuário
Geral
Assine o Estadão
assine

Vacina da poliomielite será injetável

Clarissa Thomé / RIO - O Estado de S.Paulo

26 Agosto 2011 | 00h 00

O imunizante Sabin, oral e com o vírus atenuado, será substituído pela versão injetável, com o vírus inativado, para evitar risco de contração da doença

O Ministério da Saúde vai substituir a vacina oral contra a poliomielite, a Sabin, pelo imunizante injetável. O motivo da troca, que já ocorreu em outras partes do mundo, é que a forma injetável é produzida com o vírus morto, ou inativado - portanto, mais segura.

Oficialmente, o ministério não tem prazo para o início da transição, mas divulgou informe técnico para as secretarias estaduais de Saúde, alertando para a mudança em 2012. O documento recomenda ações intensificadas de imunização "de modo a alcançar coberturas vacinais de no mínimo 95%" e promete a apresentação da nova estratégia para este semestre.

"A Sociedade de Imunizações já espera essa troca há muito tempo e vinha recomendando o uso da vacina inativada. É uma mudança que ocorreu em todos os países desenvolvidos, mas não é uma alteração simples", afirma a médica Isabella Ballalai, presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações (Sbim-RJ).

A vacina oral é feita com o vírus atenuado. Apesar de raro, há o risco de infecção por esse vírus, que provoca a pólio vacinal - causada pela própria vacina. "É preciso ressaltar que o benefício da pólio oral é muito grande. A poliomielite é uma doença transmissível, que incapacita e até mata. Mas há o risco de 1 caso para 800 mil doses de provocar a pólio vacinal. Se nós temos uma vacina mais segura, devemos usá-la", defende Isabella.

Embora não esteja disponível nos postos de saúde, a vacina inativada já é encontrada nas clínicas particulares.

"É uma vacina segura. Nas clínicas, é oferecida conjugada com outras vacinas, como a DTP (difteria, tétano e coqueluche), com hemófilos tipo B (contra meningite) e hepatite B. Acredito que o ministério vá seguir a mesma estratégia. Se isso ocorrer, não deve haver resistência da população a mais uma vacina injetável", diz o médico Alberto Chebabo, chefe do Serviço de Doenças Infecto-Parasitárias do Hospital Universitário da UFRJ.

Segundo Isabella, os países que fizeram a transição das gotinhas para a injetável optaram por oferecer a nova vacina nas duas primeiras doses, aos 2 e 4 meses. As demais - aos 6 e aos 15 meses, além das doses de reforço, nas campanhas - são da vacina tradicional, na forma oral. "As duas primeiras doses com a vacina com vírus inativado já garante a proteção contra o vírus da pólio, até mesmo o vacinal", afirma.

Outra mudança que será anunciada é a realização da campanha de vacinação anual contra a pólio em única etapa, a partir de 2012. Hoje, as crianças de 0 a 5 anos recebem duas doses de reforço, em junho e agosto.

Critérios. Em nota, o ministério informou que a incorporação de novas vacinas no calendário oficial segue critérios de especialistas, que avaliam tecnologia, custo benefício e custo efetividade, além do impacto epidemiológico, imunológico e logístico.

CRONOLOGIA

Forma injetável foi a pioneira

1931

Início das pesquisas

O norte-americano Albert Sabin (1906-1993) inicia suas pesquisas para o tratamento da poliomielite assim que se forma em Medicina na Universidade de Nova York. Durante a 2.ª Guerra, ele interrompe as experiências para se dedicar aos estudos de doenças que acometiam os soldados. A pesquisa é retomada apenas em 1954.

1955

Vacina Salk

O virologista Jonas Salk (1914-1995) tem sua vacina, a primeira contra a poliomielite, oficialmente permitida para uso em todo o território dos Estados Unidos. Seu imunizante, injetável e com o vírus inativado, era eficaz na prevenção da maioria das complicações da doença, mas não prevenia a infecção inicial.

1961

Vacina Sabin

O Serviço de Saúde Pública dos Estados Unidos libera a vacina Sabin, tomada por via oral e com o vírus atenuado. Sua versão do imunizante previne a contração da moléstia. Ela eliminou a pólio em quase todo o mundo.

  • Tags: