Vinhos de Telmo

Dehesa Gago - Um vinho elegante da nova região espanhola de Toro, onde a uva Tinta de Toro (nome local para a Tempranillo) costuma ser demasiado potente. Com madeira evidente, mas taninos agradáveis, bom corpo e boa acidez, é um vinho robusto que poderia - em mãos menos hábeis - ter virado uma bomba fruto-alcoólica. Ao contrário, exprime a aridez desolada da região com fineza. Tem um irmão mais simples e barato, o Gago Toro. Os dois são bom exemplo de outro traço de Telmo Rodríguez, a preocupação com a qualidade gráfica de seus rótulos. Molino Real - Até o momento, o mais extraordinário vinho produzido pelo enólogo. Resultado de pesquisa histórica, paciência e um toque de sorte: a descoberta de um velho vinhedo de Moscatel. Emocionou o veterano crítico inglês Hugh Johnson, que sentiu nele um sabor ancestral. É caro, raro e entusiasmante. Altos de Lanzaga - O mais refinado Rioja do produtor, até que seu vinhedo de Las Beatas comece a produzir. Pela qualidade e cuidados na seleção das uvas e do carvalho francês em que estagia, além do tempo de envelhecimento, equivaleria a um Gran Reserva, de estilo moderno sem ser próximo dos "super-Riojas" desequilibrados e sem personalidade. Apesar de Telmo declarar "não acho que faça, nem pretendo fazer, grandes vinhos", eis um notável. Os vinhos de Telmo Rodríguez são importados pela Mistral.

O Estado de S.Paulo

11 Setembro 2008 | 03h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.