1. Usuário
Link
Assine o Estadão
assine

Vivo, Claro, Oi e TIM vão operar telefonia 3G em São Paulo

Gerusa Marques e Leonardo Goy, da Agência Estado

19 Dezembro 2007 | 10h 37

Empresas compram uma licença cada nas propostas de menor ágio do leilão para o maior mercado do País

O que prometia ser a disputa mais acirrada no leilão de telefonia celular de terceira geração (3G), nesta quarta-feira, 19, acabou nas mãos previsíveis de Vivo, Claro, Oi e TIM. As quatro operadoras ficaram com uma licença cada na Grande São Paulo, o maior mercado do País. A Oi arrematou o quarto lote da Área 3, que compreende a capital paulistana e 63 municípios da Grande São Paulo. A empresa fez um lance de R$ 187,5 milhões, o que representa um ágio de 67,66% sobre o preço mínimo, de R$ 111,8 milhões.   VEJA TAMBÉM  Entenda a tecnologia 3G  Link - Para quem vale a pena optar pelo 3G?  Internet em celular deve ser 70% em 2012  3G da Claro começa a funcionar em SP  Primeiro dia de leilão tem ágio de 273%  Licenças de 3G na Grande SP arrecadam R$ 759,3 milhões   Vivo, TIM e Claro já haviam obtido as outras três licenças da região. As quatro operadoras, além de atender à grande São Paulo, terão que operar o serviço de terceira geração também no Norte do País (Amazonas, Amapá, Pará, Maranhão e Roraima), que corresponde à Área 4, vendida em conjunto com a Área 3.   A Anatel deu início à licitação da primeira licença da Área 5, que compreende o interior paulista. Esta área será vendida de forma casada com a Área 6, que corresponde aos Estados de Alagoas, Ceará, Paraíba, Pernambuco, Piauí e Rio Grande do Norte.A TIM também venceu a disputa, mais cedo, pela quarta licença da Área 2 (Sul, Centro-Oeste, Tocantins, Rondônia e Acre). O lance vencedor foi de R$ 382,284 milhões, correspondente a um ágio de 68,06% sobre o preço mínimo, de R$ 227,472 milhões. Este foi o maior ágio neste segundo dia de disputa. Mesmo assim, o patamar está bem abaixo do que foi verificado na terça, quando os prêmios variaram de 89,62% a 273,92%.   Sul, Centro-Oeste e Nordeste   Logo pela manhã desta quarta, foi a vez da Claro levar a terceira licença da Área 2 (Sul, Centro-Oeste, Tocantins, Rondônia e Acre). Após uma rápida disputa com a Nextel, a Claro foi vitoriosa, com um lance de R$ 369,5 milhões, com ágio de 62,44%. A Brasil Telecom também conseguiu sua primeira vitória no leilão de terceira geração (3G) de telefonia celular. O grupo comprou a segunda licença da Área 2, que coincide com a região de atuação da empresa em telefonia fixa. A BrT arrematou a licença por R$ 483 milhões, um ágio de 41,56% sobre o preço mínimo, de R$ 341,208 milhões.   Desde terça, esta foi a licença menos disputada, e que rendeu o menor ágio até o momento. No primeiro dia, os prêmios oscilaram de 89,62% a 273,92%.   O leilão das cinco primeiras licenças, realizado na terça, superou todas as expectativas dos especialistas, chegando a ágios superiores a 200%. A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) arrecadou R$ 2,4 bilhões. O apetite voraz dos competidores pelas freqüências fez com que a agência elevasse a sua previsão de ágio total para 100%. Com isso, deverão ser arrecadados R$ 6 bilhões para os cofres do governo federal com todas as 44 licenças.   As empresas Vivo, TIM, Claro e Oi arremataram as quatro licenças da primeira área, que compreende os Estados do Rio de Janeiro, Espírito Santo, Bahia e Sergipe. Elas pagarão ao todo R$ 1,9 bilhão, o que representa um ágio de 160,45% sobre a soma do preço mínimo de cada lote, que era de R$ 736,5 milhões. A Nextel, apesar de não ter levado nenhuma licença na primeira área, serviu de fator-surpresa, acirrando a disputa até os lances finais.   Análise   Segundo o presidente da consultoria especializada Teleco, Eduardo Tude, que acompanhou a licitação na própria Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), os ágios seriam "bem pequenos" se não fosse a ousada estratégia da Nextel, já que existia uma licença disponível para cada concorrente. "Havia quatro candidatos naturais, que eram Vivo, Oi, TIM e Claro. Com a entrada da Nextel, que disputou forte até o final, passaram a existir quatro lotes para cinco pretendentes", explica.   As freqüências da 3G são tão concorridas porque representam uma nova oportunidade de negócios para as operadoras, com a oferta da banda larga. A tecnologia da terceira geração amplia a capacidade do celular, que passa a exercer novas funções, como um computador portátil que se conecta à internet em alta velocidade, exibindo vídeos e imagens de televisão.   Texto ampliado às 15h57.

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo