Wave quer reorganizar colaboração via internet

Novo serviço do Google mistura e-mail, chat e programa de armazenamento de arquivos numa mesma interface

Lucas Pretti, de O Estado de S. Paulo,

01 Junho 2009 | 18h57

As primeiras contas comerciais de e-mail surgiram numa época em que muito se falava sobre as possibilidades da internet e pouco se fazia.   Criado nos anos 60, o e-mail pouco mudou até hoje. Mas como seriam os e-mails se surgissem hoje, na fase da internet colaborativa e de relacionamento entre as pessoas? Talvez fossem parecidos com um novo produto apresentado pelo Google na semana passada, durante o Google Press Summit 2.0, que aconteceu em São Paulo.   O Wave (http://wave.google.com) une programa de e-mail, de armazenamento de arquivos e de chat - a ponto de não conseguirmos separar o que é o quê. É um novo serviço que coloca na mesma interface bate-papo para várias pessoas editarem documentos online ao mesmo tempo e arquivarem como num e-mail. O serviço ainda está em fase de testes e o Google já convidou desenvolvedores para trabalhar nele - o lançamento oficial ainda não tem data marcada.   Mas pra que misturar tudo? Digamos que você viajará para o Rio de Janeiro e quer saber os melhores lugares para sair à noite. Em vez de chamar algum amigo no chat, cria uma nova "onda". Este amigo adiciona outros na "conversa", que moram no Rio. Eles postam mapas, fotos de locais legais e ainda corrigem o jeito como você escreveu o nome de um bar, por exemplo. Saindo do lazer para o trabalho, imagine editar um relatório com colegas de trabalho à distância.   De certa forma já era possível fazer isso com o Google Docs, mas não simultaneamente.   Para organizar o eventual caos, o Wave tem a ferramenta Playback. Quem entra no meio de uma conversa pode ver passo a passo quem fez o quê no documento. A "onda" fica salva para consulta e futuras buscas - como os chats no Gtalk ou as conversas no Gmail já ficavam.   O serviço é uma resposta do Google à web instantânea, cujo melhor exemplo é o Twitter.   Mas não são microposts, e sim informações de várias naturezas (mapas, imagens, links) que devem gerar grandes ambientes para colaboração e interação. Uma vez que as ondas poderão ser públicas, abertas e buscáveis (como no Google Maps ou Docs), o Wave pode ser entendido como uma tentativa de reorganizar os mecanismos de colaboração online.   O mais empolgante dos recursos, porém, ainda é promessa. O Google Wave não habilita vídeo e voz. Gerar informações online falando e vendo quem está mexendo no mesmo arquivo é algo promissor.   Basta você se convencer de que e-mail não é um correio eletrônico, e sim um escritório inteiro.    Para Vint Cerf, o conceito de 'notícia' mudou com a web   As palavras iniciais do discurso do homem tido como o "pai da internet", Vinton Cerf, já foram de certa forma uma metáfora de todo o resto.   "Acho engraçado eu ser um engenheiro elétrico e matemático falando sobre o futuro da imprensa para um monte de jornalistas", disse o hoje evangelista do Google durante a estada no Brasil, na semana passada.   Cerf resume nessa fala as questões trazidas pela internet para a comunicação: qualquer um pode produzir notícias, interagir com leitores e ganhar relevância e dinheiro com isso. O mercado de jornais nos EUA já debate saídas para a "crise" instalada.   Para Cerf, o conceito notícia deve mudar num ambiente como o da web. Não seria algo que vai de uma fonte para vários consumidores, nem apenas texto. "Confiança e ‘furos’ ainda fazem diferença, então um dos caminhos é fortalecer a marca", disse. Ele também defendeu o modelo de publicidade do Google, por links patrocinados.   "Jornais podem lucrar com notícias antigas, o que não ocorre quando impressos."

Mais conteúdo sobre:
Google Wave Web 2.0

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.