ir para o conteúdo
 • 

Patrocinado por

Você está em Notícias > Política

Bancada tem tendência 'governista' em votações

08 de dezembro de 2013 | 2h 12
DANIEL BRAMATTI - O Estado de S.Paulo

Apesar das reclamações de líderes do agronegócio em relação à presidente Dilma Rousseff, os defensores do setor na Câmara dos Deputados são quase tão governistas quanto a média dos integrantes da Casa.

Segundo o Basômetro, ferramenta do Estadão Dados que mede a taxa de governismo de parlamentares, partidos e bancadas temáticas, os chamados deputados ruralistas tiveram taxa média de governismo de 76%, 71% e 68% em 2011, 2012 e 2013, respectivamente. Esse índice é apenas um pouco inferior à taxa média de governismo no período, de 79%, 76% e 72%.

A taxa da bancada ruralista equivale à média da "nota" de cada integrante da bancada. A taxa individual, por sua vez, leva em consideração a porcentagem de vezes em que o deputado votou segundo a orientação do Palácio do Planalto.

Reportagem do Estadão Dados publicada no ano passado já havia mostrado que os deputados seguem muito mais a orientação dos líderes de seus partidos que o posicionamento das bancadas temáticas - e isso vale tanto para ruralistas como para ambientalistas e evangélicos.

A frente ruralista contrariou o governo abertamente em três votações do Código Florestal na Câmara, ocasiões em que saiu vitoriosa. Mas o movimento contra os interesses do Palácio do Planalto, nesses episódios, não foi capitaneado apenas pelos ruralistas. Os líderes dos principais partidos aliados ao governo orientaram suas bancadas a votar na contramão do líder do governo (caso do PMDB) ou liberaram seus correligionários para votar como quisessem (PP, PR, PTB e PDT). Foram, portanto, exemplos de infidelidade da base.

O fenômeno se repetiu em duas outras derrotas na Câmara e uma no Senado. Em nenhuma os ruralistas tinham interesse direto no projeto votado.

Em contrapartida, o governo conseguiu aprovar projetos que, em tese, contrariam interesses de fazendeiros, como a emenda constitucional que tornou mais rigorosa a punição a quem explora o trabalho escravo. Nessa última, a grande maioria dos ruralistas votou conforme a orientação do governo: 112 a favor e 25 contra.




Saiba mais sobre DANIEL BRAMATTI no Google

Estadão PME - Links patrocinados

Anuncie aqui

Siga o Estadão

Pasadena não foi um bom negócio, diz Graça Foster

  • Pasadena não foi um bom negócio, diz Graça Foster
  • Candidatos de oposição escolhem São Paulo para sediar campanha
  • Peemedebista lança pré-candidatura em cima de um tanque de guerra



Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo