12:18


15 de Abril de 2010

 

Patrocinado por




Você está em Economia
Início do conteúdo

BlackRock reduz aposta na Petrobrás

Em visita ao País, gestor de um dos maiores fundos americanos diz não estar confiante com a estatal brasileira

08 de fevereiro de 2013 | 2h 07
MARIANA DURÃO, MÔNICA CIARELLI / RIO - O Estado de S.Paulo

Embora tenham em comum resultados mais fracos em 2012 e políticas de ajuste em curso, Vale e Petrobrás vivem momentos distintos frente aos investidores. Gestor de fundos ativos da BlackRock que somam US$ 6,5 bilhões na América Latina, Will Landers avalia que a mineradora já entrou em fase de retomada da confiança dos acionistas. Já a petroleira, altamente endividada e pressionada por seu bilionário plano de investimentos, terá de "provar que pode entregar" para reconquistar credibilidade. Ao encerrar ontem uma temporada de visitas a companhias brasileiras, Landers falou com exclusividade à Broadcast, serviço em tempo real da Agência Estado.

A análise positiva sobre a Vale é reflexo da alta dos preços do minério de ferro, mas também da estratégia de gestão de Murilo Ferreira à frente da companhia. Convencido de que o executivo está "fazendo o dever de casa", Landers vem elevando sua posição na Vale desde o 4.º trimestre de 2012. O porcentual do patrimônio dos fundos sob sua gestão aportados em ações da mineradora saiu de 7% para 10,1%.

Entre os acertos de Ferreira ele cita o recém-anunciado acordo com a canadense Silver Wheaton Corp. (SLW) para vender parte dos fluxos de ouro extraído como subproduto de minas de cobre e níquel no Brasil e no Canadá. A Vale receberá US$ 1,9 bilhão. "Isso é superpositivo. Vai monetizar uma parte da companhia a que o mercado atribuía zero de valor", diz.

Para a Petrobrás, o discurso é outro. Durante a visita do gestor americano ao Brasil, a estatal anunciou o mais baixo lucro dos últimos oito anos e sua presidente, Graça Foster, alertou que 2013 será ainda mais difícil. A BlackRock - maior gestora de recursos do mundo, com US$ 3,7 trilhões em ativos - chegou a ser a principal minoritária da Petrobrás, mas vem reduzindo sua posição nos últimos anos. No caso dos fundos para a América Latina, a petroleira responde por 5,2% dos recursos de sua carteira dedicados à região.

Diante do cenário desafiador para a Petrobrás, Landers descarta aumentar apostas na companhia e pouco se animou com o reajuste de combustíveis. O gestor não entende como oportunidade de compra a forte desvalorização das ações em Bolsa nos últimos dias porque não enxerga nenhum "catalisador" de melhora na performance dos papéis da empresa no curto prazo.

"Como a presidente falou, o crescimento não vem até 2014. Você tem de acreditar (para investir) que o que estão fazendo vai dar resultado dali para a frente. Mas, dado o histórico de não entrega, fica difícil", diz.

A desconfiança persiste apesar da visão de que Graça Foster é uma executiva "realista" e "bem-intencionada" em recuperar as operações da companhia. Mesmo a mudança na política de dividendos foi vista como correta pelo gestor, diante da limitação de caixa da petroleira para sustentar investimentos.

A BlackRock esteve no centro de um embate entre acionistas minoritários e controladores da Petrobrás que pôs em xeque a governança da companhia. Na eleição do conselho em 2012, a gestora americana e a carioca Polo Capital lideraram a indicação de dois representantes dos minoritários para o conselho.

Os nomes foram derrubados pelo voto dos fundos de pensão (Previ, Petros e Funcef) e BNDES, que elegeram Jorge Gerdau e Josué Gomes Batista. Os demais minoritários consideram que os fundos e o banco não poderiam votar como minoritários, por terem vínculo com a União, controladora da Petrobrás. O assunto já foi levado por acionistas ao ministro da Fazenda e presidente do conselho da estatal, Guido Mantega.

Brasil. Dos US$ 3,7 trilhões em ativos que o BlackRock tem sob gestão no mundo, um terço está em ações. Dos US$ 6,5 bilhões dos fundos de ações comandados por Landers na América Latina, 66% são aplicados no Brasil. O baixo crescimento do PIB nos últimos anos e medidas governamentais vistas lá fora como intervencionistas, segundo ele, puseram fim à lua de mel dos estrangeiros com o País. "O Brasil perdeu um pouco da confiança dos investidores globais, dado o movimento de microintervenções na economia. Agora, eles estão esperando para ver."





Estadão PME - Links patrocinados

Anuncie aqui


Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo