ir para o conteúdo
 • 

Patrocinado por

Você está em Notícias > Política

Campanha eleitoral já se estrutura na rede

Prováveis candidatos à Presidência investem na montagem das equipes que vão disputar corações, mentes e votos dos internautas na eleição

14 de janeiro de 2014 | 2h 07
Ricardo Galhardo, Pedro Venceslau e João Domingos - O Estado de S.Paulo

BRASÍLIA - Prevendo que a internet terá papel central na campanha deste ano, os três principais nomes da corrida presidencial já se mobilizam para a disputa dos "corações e mentes" - além, é claro, dos votos - dos usuários das redes sociais.

O embate entre petistas e o governador pernambucano e provável candidato ao Planalto, Eduardo Campos (PSB), na semana passada, quando um texto publicado na página oficial do PT no Facebook chamou o adversário de "tolo", "playboy" e "mimado", jogou luz sobre o potencial de estrago desse tipo de ferramenta.

A reação foi forte no PSB, que ameaça agora fazer oposição sistemática à presidente Dilma Rousseff no Congresso. O PSDB aproveitou a oportunidade para se solidarizar com Campos e criticar o adversário histórico. Houve polêmica mesmo dentro do PT.

"Nunca houve tantos brasileiros na internet. Hoje, quase 50% da população brasileira é internauta. A estimativa é que esse número chegará a 70% até o fim do ano", afirma Raquel Recuero, pesquisadora de mídias digitais da Universidade Católica de Pelotas (RS) - ela coordena atualmente um estudo sobre o impacto das redes sociais na campanha eleitoral deste ano.

'Coisa falsa'. Os petistas justificam o investimento na campanha virtual afirmando que já foram vítimas de campanhas difamatórias na internet, como em 2010, quando Dilma foi alvo de uma série de e-mails apócrifos que a acusavam, entre outras coisas, de ser "terrorista", pelo fato de ter participado da guerrilha durante o regime militar.

Agora, quatro anos depois, quando as chamadas "correntes" de internet deram lugar a posts no Facebook e micromensagens no Twitter, o partido volta sua atenção às redes com a contratação de uma agência especializada no tema, a Pepper Interativa, para mapear tudo que é falado sobre a presidente. A ideia é identificar no nascedouro rumores e boatos.

A Pepper possui ferramentas que permitem rastrear perfis falsos, temas recorrentes ligados aos candidatos adversários e golpes baixos.

Além da agência, o partido conta com uma equipe de quatro pessoas que produz conteúdo para os canais oficiais: a página do partido na internet, a conta no Twitter e os perfis da presidente Dilma no Facebook.

O PT também espera ter durante a campanha as análises do sociólogo Sérgio Amadeu, professor da Universidade Federal do ABC, consultor e especialista em redes sociais. Pesquisas apresentadas por ele à direção do partido mostram que as redes sociais são o principal ambiente de discussão política na internet: 70% dos internautas brasileiros estão conectados no Facebook e 15% no Twitter.

"Tem muita coisa falsa feita de propósito para confundir as pessoas e parecer que foi o PT", diz Alberto Cantalice, vice-presidente e responsável pela ação do PT nas redes sociais - foi ele quem autorizou a publicação do texto com ataques a Campos na página do partido no Facebook.

Dilma, que havia abandonado as redes sociais após as eleições de 2010, voltou a usá-las em setembro de 2013. Desde então, faz comentários diversos no Twitter e anuncia medidas do governo.

Uso da máquina. Se os petistas acusam os adversários de terem promovido uma "guerra suja" em 2010, os tucanos respondem acusando a presidente de usar a máquina para ampliar a capilaridade das redes sociais.

"Eles têm uma rede de guerrilha na internet que nos ataca o tempo todo. Foi montada pelo ex-ministro Franklin Martins e foi por ela que a presidente Dilma Rousseff fez chegar a todos os servidores públicos a sua mensagem de Natal", afirma o deputado Marcus Pestana, presidente do PSDB mineiro e um dos principais aliados do senador Aécio Neves, provável candidato ao Planalto.

O ex-ministro da Comunicação Institucional de Lula nega as acusações. "Isso não é verdade. É uma bobagem imaginar que o governo tem que estar por trás para que a sociedade faça qualquer coisa."

Durante a campanha, a agência Pepper, dos petistas, será subordinada ao marqueteiro João Santana. Embora seja muito citado por petistas como provável coordenador da estratégia de comunicação, Franklin Martins diz que ainda não recebeu nenhuma proposta oficial para trabalhar na campanha.

Profissionalização. Depois de assumir a presidência nacional do PSDB no ano passado, Aécio profissionalizou a estrutura de comunicação do partido nas redes sociais. Para unificar e capilarizar o discurso da legenda e dar viabilidade ao seu projeto presidencial, ele passou a promover em Brasília encontros da sua equipe com os assessores de imprensa dos 27 diretórios estaduais tucanos, além dos profissionais responsáveis pela comunicação das bancadas do PSDB no Congresso.

Para a campanha, o nome mais cotado para cuidar das redes sociais é um velho conhecido dos petistas mineiros: o programador Pedro Guadalupe. Em 2012, ele trabalhou na equipe de João Santana que fez a campanha de Patrus Ananias para a prefeitura de Belo Horizonte. No ano seguinte, mudou de lado. Estava contratado pelo PP, partido do vice-governador de Minas Gerais, Alberto Pinto Coelho, quando começou a se aproximar da equipe de Aécio.

Para impressionar o provável candidato, produziu no Youtube um vídeo polêmico, onde fez um clipe com uma paródia da música "Faroeste Caboclo" com críticas ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O material fez tanto sucesso nas redes sociais que o filho de Renato Russo, Giuliano Manfredini, ingressou com um pedido na Justiça para que o vídeo fosse retirado. "Eu quis mostrar serviço, literalmente", diz Guadalupe. Pouco tempo depois, passou, segundo ele, a prestar assessoria informal à equipe do senador.

Uma vez fechado o contrato, Guadalupe terá de se mudar para São Paulo, onde o PSDB montará sua base de internet, a ser comandada por Xico Graziano, diretor do Instituto Fernando Henrique Cardoso e ex-chefe de gabinete do ex-presidente.

Já pensando na campanha, Guadalupe conta que montou um "casting" com atores sósias de Lula e Dilma. "O uso desses atores vai depender muito da situação", diz.

Resposta automática. Campos não tem o hábito de navegar nas redes sociais. Mesmo assim, são raros os comentários em posts feitos em sua página no Facebook que ficam sem resposta. No sábado, por exemplo, ele foi acusado por uma internauta chamada Ana Maria de censurar seus comentários "por medo do PT". Menos de 20 minutos depois, veio a resposta: "Não temos medo de partido nenhum (...) Quem tem medo, Ana Maria, é quem não quer que as coisas mudem, porque vão mudar".

A atual de equipe de Campos para a função é formada por dois diretores de arte, dois redatores e três analistas de mídias sociais. Um dos coordenadores da candidatura de Campos, o deputado Júlio Delgado (PSB-MG) afirma que haverá dois tipos de eleitor no ano que vem: o das grandes cidades, que terá bandeiras específicas, como a denúncia dos gastos excessivos com os estádios para a Copa, a promessa não cumprida de vias para melhorar o trânsito e a mobilidade urbana, e o dos municípios pequenos, onde não haverá jogos da Copa do Mundo.

Conhecimento. Delgado lembrou que a Rede Sustentabilidade levou para o PSB um forte conhecimento do uso das redes sociais. Ele acha que esse fator será fundamental para definir se Aécio ou Campos vai enfrentar Dilma no 2.º turno da eleição, porque um deles terá de conquistar o eleitor pela internet, visto que terão muito menos tempo de propaganda na TV do que a presidente da República em sua campanha pela reeleição. O coordenador das redes sociais do PSB será Cássio Martinho, hoje porta-voz da Rede, juntamente com a ex-ministra Marina Silva.






Estadão PME - Links patrocinados

Anuncie aqui

Siga o Estadão

"Relatório foi omisso", admite Gabrielli

  • "Relatório foi omisso", admite Gabrielli
  • Pré-candidato do PV vai ao trabalho de bicicleta
  • Cerveró discorda que Pasadena era mau negócio



Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo