Demanda por profissionais de TI levou Colégio Bandeirantes a criar faculdade Tecnológico em redes de computadores

A falta de profissionais da área de tecnologia da informação (TI) fez com que o Colégio Bandeirantes criasse a faculdade tecnológica BandTec. Operando desde 2008, a instituição obteve reconhecimento do MEC no início de 2013. Além do curso de redes de computadores, a instituição oferece formação em análise e desenvolvimento de sistemas e em banco de dados.

CRIS OLIVETTE, O CADERNO SOBRE EDUCAÇÃO UNIVERSITÁRIA CIRCULA TODA ÚLTIMA TERÇA DO MÊS (LEIA O PRÓXIMO NO DIA 26/3), CRIS OLIVETTE, O CADERNO SOBRE EDUCAÇÃO UNIVERSITÁRIA CIRCULA TODA ÚLTIMA TERÇA DO MÊS (LEIA O PRÓXIMO NO DIA 26/3), O Estado de S.Paulo

24 Março 2013 | 02h11

O coordenador do curso, Sandro Melo, diz que o profissional atua como arquiteto de infraestrutura ao elaborar, implantar, gerenciar e manter projetos de redes. "Ele também pode atuar como administrador de redes, com foco em telecom ou servidores, ou ser especialista nas áreas de infraestrutura de virtualização, armazenamento de dados, computação em nuvem e segurança de sistemas."

Segundo Melo, cursos tecnológicos não exigem trabalho de conclusão de curso. Por isso, a BandTec oferece a disciplina escritório de projeto em todos os semestres. "Assim, o aluno desenvolve projetos definidos pelo professor, ou resolve o problema de empresas parceiras."

Sandro conta que a crescente demanda por profissionais fez surgir mecanismos que aproximam a academia do mundo corporativo. "Nós mantemos parceria com vários fabricantes, que nos fornecem tecnologia de ponta e vagas de estágio."

Ele diz que para contratar, o mercado observa a formação, o nível de inglês e as certificações. "Na BandTec, os alunos têm conversação em inglês em todos os semestres. A área de TI requer essa habilidade."

Salário inicial

R$ 2,5 mil

Duração do curso

5 semestres

Disciplinas

Escritório de projeto, arquitetura computacional, instalação e configuração de redes, segurança e auditoria de redes, redes sem fio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.