Dilma decide por 'acadêmico' e nomeia Marcelo Neri para o Ipea

Presidência estava sendo ocupada interinamente por Vanessa Petrelli, depois do desligamento de Márcio Pochmann

TÂNIA MONTEIRO , IURI DANTAS / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

24 Agosto 2012 | 03h04

A presidente Dilma Rousseff optou por um nome "acadêmico" como prometia e escolheu o economista da Fundação Getúlio Vargas (FGV) Marcelo Neri para assumir o comando do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). Segundo fontes do Palácio do Planalto ouvidas pela reportagem, Neri foi indicado pelo ministro da Secretaria de Assuntos Estratégicos, Moreira Franco, e deve ter seu nome publicado no Diário Oficial da União de segunda-feira.

A presidência do Ipea vinha sendo ocupada interinamente pela economista Vanessa Petrelli, depois que Márcio Pochmann, ligado ao PT, deixou a instituição para disputar a prefeitura de Campinas. O nome de Neri era citado, nos bastidores, como preferência da presidente Dilma, que conversa sobre o tema há meses com Moreira Franco. economista-chefe do Centro de Políticas Sociais da FGV, Neri já declarou que não é tucano, nem petista, em entrevista ao Estado.

O economista possui Ph.D pela Universidade Princeton e diagnosticou duas mudanças profundas ocorridas na economia nas últimas duas décadas.

Foi um dos primeiros a comprovar, nos anos 90, a queda da pobreza causada pelo Plano Real, o que confrontava a visão de economistas ligados ao PT. Anos depois, trabalhou dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) para demonstrar a existência de uma nova classe média no País, criada com a ajuda da estabilidade econômica, programas sociais e reajustes do salário mínimo.

Elogios. Em abril, Dilma rasgou elogios publicamente ao economista e recomendou a leitura de seu livro. "Eu sugeriria a todos aqui que se interessam por isso, que têm toda uma abnegação em relação a isso, a leitura de um livro, de um trabalho do Marcelo Neri, que está ali conversando, a leitura do livro dele, Nova Classe Média, que é, eu acredito, um dos estudos mais bem-feitos a respeito desse processo" afirmou a presidente. "Ele pode ter certeza, ele inspira a gente a melhorar os nossos programas." "É por várias constatações, estudos e análises dele, que nós vamos melhorando os nossos programas, então ele é um grande colaborador do governo federal", acrescentou Dilma. "Acho que ele é um dos brasileiros que ajudaram o Brasil a combater a pobreza e a miséria."

Ao selecionar o economista, a presidente recusou a indicação feita por Pochmann, que preferia ver Vanessa no cargo.

Formada pela Universidade de Campinas, ela defende os ideais de John Maynard Keynes - o economista inglês que advogava por investimentos estatais durante períodos de crise econômica e ajudou os líderes mundiais a criarem o Fundo Monetário Internacional (FMI) e o Banco Mundial após a 2.ª Guerra Mundial, na conferência de Bretton Woods.

Antes de assumir o Ipea em 2007, Pochmann atuou como secretário de Desenvolvimento de Marta Suplicy, na Prefeitura de São Paulo. No instituto, sua gestão criou polêmica desde o primeiro momento, ao substituir economistas de abordagem diferente da sua e nomear pesquisadores com suposto ideário "estatista". Pochmann defendia o uso do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), o aumento dos gastos públicos para estimular a economia e o crescimento da máquina pública.

Privatizações e reformas estruturais, como a trabalhista, previdenciária e outras, por exemplo, estavam fora da pauta do instituto, que deveria se limitar a fazer pesquisas e apontar soluções em vez de defender somente um ponto de vista, segundo os críticos do economista. Moreira Franco tentava defenestrar Pochmann desde fevereiro do ano passado, mas o petista contava com apoio do partido e se segurou no cargo. Com a escolha de Neri, Dilma substitui um nome político por um técnico, como fez na Petrobrás, por exemplo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.