Khaled Elfiqi/Efe
Khaled Elfiqi/Efe

Embaixada de Israel é invadida no Egito

Manifestantes derrubam muro e destroem documentos oficiais; embaixador israelense deixa o Cairo por questões de segurança

, O Estado de S.Paulo

10 Setembro 2011 | 00h00

CAIRO

Manifestantes atacaram ontem a Embaixada do Egito no Cairo, derrubando o muro feito por autoridades egípcias para proteger a missão diplomática, invadindo o local e jogando documentos pelas janelas. Eles exigiam a expulsão do embaixador de Israel em resposta à morte de cinco policiais do Egito por tropas israelenses, próximo à fronteira, no mês passado.

O embaixador israelense, Yitzak Levanon, a família dele, e outros diplomatas foram retirados na madrugada de hoje do Egito por um avião de Israel e levado de volta a seu país por questões de segurança, segundo a TV Al-Arabiya.

O Ministério de Saúde do Egito informou que 448 pessoas ficaram feridas nos confrontos entre os manifestantes e a polícia diante da representação diplomática de Israel. Uma pessoa morreu por causa de um ataque cardíaco, segundo o ministério.

O presidente americano, Barack Obama, manifestou grande preocupação com o incidente e disse que o governo egípcio tem a obrigação de proteger a embaixada. Em uma conversa por telefone com o premiê israelense, Binyamin Netanyahu, Obama disse que os EUA estão "agindo em todos os níveis" para resolver a situação no Egito.

Testemunhas disseram que um dos documentos lançados pelos manifestantes pedia que o Ministério de Relações Exteriores egípcio concedesse o porte de armas a um diplomata israelense. Fontes oficiais em Israel afirmaram que os papéis jogados não passavam de formulários e panfletos.

As forças de segurança egípcias não intervieram inicialmente, quando a multidão subiu no muro e começou a destruir a barreira, construída pelo Egito no início do mês para proteger o prédio de manifestantes. Quatro veículos da polícia foram incendiados nos arredores da embaixada.

O ministro israelense da Defesa, Ehud Barak, pediu ontem ajuda aos americanos para proteger a sede da missão diplomática do país. O pedido foi feito por Barak em conversa com o secretário de Defesa dos EUA, Leon Panetta, e o enviado do presidente Obama, Dennis Ross.

A tensão entre Israel e Egito vem crescendo desde meados de agosto, quando um avião militar israelense que perseguia militantes no deserto, na fronteira com o Egito, disparou um foguete que matou os cinco soldados e policiais egípcios. Há poucos dias, em outra manifestação no Cairo, a bandeira de Israel foi retirada da embaixada por populares e queimada. / AP, AFP e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.