Ir para o conteúdo
ir para o conteúdo
 • 
Você está em Notícias >
Início do conteúdo

EUA defendem apoio para combate ao desmatamento

Negociador americano para o clima diz que país [br]quer financiar a preservação de florestas pelo mundo

09 de outubro de 2009 | 0h 00
Afra Balazina, BANGCOC (TAILÂNDIA) - O Estadao de S.Paulo

Os Estados Unidos declararam a disposição de ajudar o Brasil e outros países a evitar o desmatamento. O principal negociador americano para o clima, Jonathan Pershing, afirmou anteontem em Bangcoc, na reunião promovida pela Organização das Nações Unidas, que o desmatamento precisa ser controlado e que seu país "tem de apoiar a questão".

"Estamos vendo o que a ciência diz sobre florestas no mundo. Elas estão levando a substanciais porções de emissão de gases-estufa. Então, qualquer coisa que possamos fazer como comunidade internacional para ajudar a reduzir o desmatamento e melhorar as práticas de uso do solo parece uma boa ideia", disse ao Estado.

Segundo o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), o desmatamento da Amazônia brasileira contribui com cerca de 2,5% das emissões globais de gases causadores do efeito estufa.

Uma das formas de financiar a diminuição do desmatamento é o mecanismo chamado de Redução de Emissões por Desmatamento e Degradação florestal (REDD), que permitiria aos países desenvolvidos receber créditos de carbono pelo financiamento de projetos de conservação que reduzam o desmatamento nos países em desenvolvimento.

Mas, segundo Pershing, além do REDD, os Estados Unidos levam em conta outras maneiras de prover recursos para diminuir o desmate. "Existem outros métodos, como empréstimos e subvenções diretas. Colocamos todos eles no projeto de lei de energia e clima que está no Senado."

O encontro em Bangcoc é uma preparação para a conferência do clima de Copenhague, onde deve ser fechado o acordo com a definição de novas metas de redução de emissão de gases-estufa para os países industrializados. Porém, o projeto de lei citado por Pershing não tem previsão para ser votado no Senado.

Sem a lei, as negociações estão complicadas, pois os Estados Unidos não colocam propostas claras na mesa. Eles não querem cometer o mesmo erro, de assinar o Protocolo de Kyoto, mas depois, em razão da oposição dos congressistas, não o ratificar.

Ontem, Pershing elogiou ações de países emergentes para reduzir emissões e citou China, Índia, Brasil e África do Sul. Entretanto, voltou a demonstrar que os EUA querem um acordo em que os países em desenvolvimento também tenham responsabilidades, mesmo que diferenciadas - já que os países industrializados têm responsabilidade histórica. "Estamos menos confortáveis com a ideia de que a comunidade internacional só se importa com as ações de cerca de 30 países (os industrializados)."

CRÍTICAS

Pershing também teve de responder a críticas, entre elas a de que seu país tem bloqueado negociações. "As histórias de incapacidade dos EUA para se moverem são vastamente exageradas", falou. "O Congresso, apesar de um processo difícil e demorado, está se movendo. E quando um governo novo entra e precisa mudar o que aconteceu por muitos anos, isso leva tempo em qualquer país. Mas não estamos bloqueando, estamos tentando facilitar (o acordo)", afirmou.

Ele também comentou a divulgação de dados da IEA (Agência Internacional de Energia) que mostraram que, com a crise econômica, as emissões de 2009 devem cair 3%.

"Não atingimos um ponto em que o problema não pode ser resolvido", disse. E, aproveitando para provocar os emergentes, disse: "O segundo ponto do relatório que eu destaco é que os países precisam agir imediatamente, e todos devem agir."


Estadão PME - Links patrocinados

Anuncie aqui

Siga o Estadão




Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo