ir para o conteúdo
 • 

Patrocinado por

Você está em Notícias > Política

Ex-superministro, Pimentel deixa governo

Petista começa pré-campanha em Minas já na sexta-feira e tenta ajudar projeto reeleitoral de Dilma contra o favoritismo de Aécio no Estado

10 de fevereiro de 2014 | 2h 05
João Villaverde e Caio Junqueira - O Estado de S.Paulo

BRASÍLIA - Integrante do primeiro escalão do governo, à frente do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior há três anos, Fernando Pimentel vai deixar esta semana o cargo na Esplanada para iniciar sua campanha ao governo de Minas. Na sexta-feira, ele começa uma caravana pelo Estado, em evento com presença do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Pimentel, que assumiu cargo na Esplanada há três anos, sai sem bandeira - Ed Ferreira/Estadão - 25.22.2013
Ed Ferreira/Estadão - 25.22.2013
Pimentel, que assumiu cargo na Esplanada há três anos, sai sem bandeira

O desafio de Pimentel será dar suporte ao projeto de reeleição de Dilma Rousseff em Minas, um Estado onde um dos principais adversários da presidente na sucessão ao Planalto, o tucano Aécio Neves, tem amplo favoritismo. E com um fator complicador: Pimentel sempre manteve boas relações com Aécio.

Ex-prefeito de Belo Horizonte, o petista mineiro entrou no governo com status de "superministro". Àquela época, a aposta se justificava tanto pela amizade de longa data que tinha com Dilma quanto pelo papel de conselheiro político que desempenhou durante a campanha que a elegeu em 2010.

Responsável pelas políticas de estímulo às exportações de empresas brasileiras, Pimentel colecionou, porém, resultados no setor pouco animadores nesses últimos anos. O saldo comercial do País, por exemplo, saiu de US$ 29,5 bilhões, em 2011, para US$ 2,6 bilhões no ano passado. Neste ano, o País registra déficit comercial - algo inédito desde 2001, quando o presidente ainda era Fernando Henrique Cardoso (PSDB).

Além disso, a indústria de transformação, setor especialmente representado na estrutura federal pelo Ministério do Desenvolvimento, vem atravessando uma ressaca após os anos de forte crescimento, entre 2004 e 2010. A produção industrial aumentou 1,2% em 2013, mas a pequena elevação não recuperou a forte queda registrada em 2012, quando as fábricas reduziram em 2,5% a produção.

Com esse desempenho, Pimentel vive uma situação complicada para quem deseja se candidatar ao governo do segundo maior colégio eleitoral do País: não tem uma marca forte que possa mostrar ao eleitorado mineiro. Cenário diferente, por exemplo, do seu ex-colega de Esplanada Alexandre Padilha, que deve explorar o Mais Médicos como vitrine eleitoral em São Paulo.

Para contornar a situação, os estrategistas de sua campanha devem explorar mais os oito anos de sua passagem pela prefeitura de Belo Horizonte, entre 2001 e 2008 (tendo sido reeleito em 2004 em 1.º turno com 68% dos votos), do que os três anos em que esteve na linha de frente da política econômica do País. "Vamos explorar a imagem dele como prefeito", diz o presidente do PT-MG, deputado Odair Cunha.

Em contraposição, o presidente do PSDB mineiro, deputado Marcus Pestana, declara que uma das estratégias tucanas para a campanha em Minas é justamente a passagem de Pimentel por Brasília no atual governo. "A presença de Pimentel em Brasília não significou nenhum grande avanço para Minas. Claro que isso será lembrado por nós", disse.

Cunha já ensaia como rebater as críticas dos tucanos. Ele argumenta que Pimentel foi ministro de um país inteiro, e não apenas de Minas. Além disso, o petista acusa o governo de Minas de boicotar a pasta de Pimentel. "Os Estados mais contemplados pelo ministério foram os que mais buscaram investimentos em Brasília. O governo não indica onde os investimentos internacionais devem ser alocados."

Discreto. Pimentel norteou sua passagem pelo ministério pela discrição. "Nunca quis ser superministro, e minha experiência mostrou que sempre que alguém tentou desempenhar esse papel não durou muito", disse ao Estado, na noite da última quinta-feira.

No dia seguinte, durante evento em Belo Horizonte, ele anunciou que visitava a capital mineira pela última vez como ministro do governo Dilma.

"Acho que em Brasília é melhor trabalhar em equipe do que querer ser o dono da bola. Nesses três anos tive cautela para não entrar em choque com nenhum ministro, e sempre quis preservar o papel de coordenador da economia com o ministro Guido Mantega, da Fazenda. Não entrei em choque com a Fazenda em nenhum momento, e entendo que desfiz um certo clima difícil com o Itamaraty", afirmou Pimentel.

O ministro acredita que as áreas de atuação de sua pasta - o comércio exterior e a política industrial - não vão ser prioritárias na campanha eleitoral.

De acordo com ele, os eixos da campanha do PT no Estado começarão a ser definidos na próxima sexta-feira, quando o partido realiza um grande evento para comemorar o aniversário da sigla. Há expectativa de que esta seja a primeira agenda de Pimentel já como ex-ministro.

O PT também vai lançar caravanas ao interior do Estado, para, segundo Pimentel, "ouvir o que os mineiros desejam". "Há uma certa frustração em Minas, como se o Estado tivesse ficado aquém do que poderia ter sido. Outro dia, um cidadão me parou na rua em Belo Horizonte e me disse que preciso voltar para ajudar, porque o Brasil nos últimos 12 anos virou outro País, mas Minas continua parada."






Estadão PME - Links patrocinados

Anuncie aqui

Siga o Estadão

"Relatório foi omisso", admite Gabrielli

  • "Relatório foi omisso", admite Gabrielli
  • Pré-candidato do PV vai ao trabalho de bicicleta
  • Cerveró discorda que Pasadena era mau negócio



Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo