12:18


15 de Abril de 2010

 

Patrocinado por




Você está em Economia
Início do conteúdo

Imposto de Renda devido pode ser destinado a entidades de assistência

09 de abril de 2012 | 3h 06
Fábio Gallo, de O Estado de S.Paulo

Ainda há tempo para dedicar parte de meu Imposto de Renda devido a projetos sociais como o Fundo Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (Fumcad)?

Sim. Quando preparar sua declaração de Imposto de Renda 2012 (ano base 2011) que tem como prazo de entrega 30 de abril, você poderá doar 3% de seu imposto de renda devido a uma entidade ou projeto que seja aprovado pela Prefeitura de São Paulo. Se o seu IR devido for de R$ 2 mil poderá doar até R$60. O Fumcad busca beneficiar entidades com projetos que apoiem crianças e adolescentes. É importante entender que a utilização não traz ônus a quem contribui e ocorre pela participação voluntária no desenvolvimento de programas aprovados pelos Fumcad. A participação através de contribuições em valores poderá ser feita na forma de múltiplas contribuições durante o ano ou por meio de contribuição única anual. O interessado poderá acessar o site fumcad.prefeitura.sp.gov.br e com a utilização do simulador poderá calcular o valor máximo a ser abatido do Imposto de Renda. Após a simulação de valores, o site mostrará na tela o botão "Fazer Doação" que levará você diretamente à página de escolha de entidades. A seguir confirme a criação do boleto. Importante, também, observar que somente quem declarar no modelo completo e fizer as doações até 30 de abril poderá abater o Imposto de Renda devido.

Tenho R$ 12 mil guardados na caderneta de poupança. Pensei colocar o dinheiro em um Fundo DI. Mas com a nova Selic, estou receoso. Qual a sua recomendação?

Com o corte da taxa básica de juros (Selic) e sua tendência de chegar a 9% ao ano, o investidor que estiver posicionado em renda fixa deve ser mais cuidadoso e fazer contas. Como os fundos de renda fixa cobram taxas de administração e ainda há incidência de Imposto de Renda, a rentabilidade líquida dessas aplicações pode ser inferior ao retorno oferecido pela caderneta de poupança. Vale a pena recordarmos que a caderneta de poupança tem a rentabilidade de 0,5% ao mês, o que equivale a 6,17% ao ano, mais a variação da TR (taxa referencial de juros), mas este título não tem cobranças de taxas e não há incidência do IR. Caso o fundo de investimento esteja cobrando taxa de administração acima de 1,5% anuais, a rentabilidade líquida poderá ficar abaixo do oferecido pela caderneta de poupança. Assim, obtenha todas as informações possíveis sobre o fundo de renda fixa que você tem aplicado seu dinheiro e calcule o rendimento líquido para poder comparar com a caderneta de poupança.

Tenho 42 anos e estou pensando, tardiamente, na minha aposentadoria. Gostaria de saber qual é a melhor opção nesse momento: previdência, aplicação ou conta poupança? Tenho R$ 2 mil mensais para essa finalidade.

Começar a investir tendo como objetivo a aposentadoria nunca é tarde. Para decidir-se sobre a melhor opção de investimento leve em consideração se você tem tempo e conhecimento para fazer isso com efetividade. Para muitas pessoas, os planos de previdência privada são boas alternativas porque são produtos oferecidos por seguradoras e especificamente desenhados para quem pensa na sua aposentadoria. Esses planos são geridos por profissionais que investem seu dinheiro em um fundo que equilibra o grau de risco com o retorno pretendido. Os fundos de previdência são estruturados basicamente em dois tipos de planos: os Planos Gerador de Benefícios Livres (PGBL) e os planos Vida Gerador de Benefício Livre (VGBL). Ambos são formas de criar poupança no longo prazo. Podendo o cliente resgatar o total acumulado ou transformá-lo em renda de aposentadoria (benefícios). A diferença básica entre os dois está na tributação. No PGBL, o valor das contribuições pode ser deduzido da sua base de cálculo do IR, com o limite de 12% da renda bruta anual, para quem declara no modelo completo. No VGBL as contribuições não podem ser deduzidas do IR e a incidência de imposto, em caso de resgate ou pagamento da renda, ocorrerá apenas sobre o ganho de capital (rendimento das aplicações). Como no PGBL pode ocorrer o benefício fiscal ao longo do período de acumulação, na hora do resgate haverá incidência tributária será sobre todo o saldo. Em outros termos: o Imposto de Renda será devido sobre todo o valor acumulado e não só sobre os ganhos. No caso de nosso leitor com R$ 2 mil por mês de capacidade de poupança, caso ele consiga uma taxa líquida de 0,5% por mês, terá acumulado aos 62 anos algo em torno de R$ 924 mil. Se desejar aplicar por conta própria seu dinheiro, há outras boas alternativas como o Tesouro Direto.






Tópicos: Imposto de Renda

Estadão PME - Links patrocinados

Anuncie aqui

Siga o Estadão






Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo