Ir para o conteúdo
ir para o conteúdo
 • 
Você está em Notícias >
Início do conteúdo

Kyoto gera impasse em reunião do clima

Reunião em Bangcoc terminou sem consenso sobre acordo para 2013

10 de outubro de 2009 | 0h 00
Afra Balazina - O Estadao de S.Paulo

A reunião preparatória em Bangcoc para a conferência do clima de Copenhague (Dinamarca) terminou com avanços em questões burocráticas, mas sem compromissos dos países industrializados em pontos essenciais. Não há acordo ainda para as metas de redução de gases-estufa que serão adotadas a partir de 2013 e sobre quanto será o financiamento para os países em desenvolvimento poderem combater o aquecimento global.

"Estamos num momento difícil da negociação. Falta muito a ser feito, faltam entendimentos importantes", disse o negociador-chefe da delegação brasileira, Luiz Machado. Para Yvo de Boer, secretário-geral da Convenção do Clima da ONU, "é hora de deixar para trás o interesse próprio e fazer com que o interesse comum prevaleça."

Um dos grandes impasses é a tentativa de acabar com o Protocolo de Kyoto. Sua primeira fase termina em 2012, mas os países discutem sua segunda etapa, que começa em 2013. As negociações acontecem em dois trilhos. Um inclui os países que ratificaram Kyoto, como União Europeia, Canadá e o Japão. E o outro inclui os países em desenvolvimento e os Estados Unidos (que não ratificou Kyoto).

Mas os países industrializados agora propõem que Kyoto deixe de existir e a negociação passe a ter só um trilho. A ideia foi vista pelas nações em desenvolvimento como quebra de confiança. "Há um medo de que "matem" o Protocolo de Kyoto e não ainda não há outra proposta na mesa", disse Boer. "Temos de manter o Protocolo de Kyoto", reforçou o Machado. Ele acredita que, sem Kyoto, o acordo será menos ambicioso.

Ao se pronunciar ontem em plenário, o representante da União Europeia, Anders Tureson, voltou a dizer que o Protocolo de Kyoto não tem trazido as respostas necessárias. Aos jornalistas, ele disse que a intenção é trazer o protocolo para um novo acordo - ou seja, incluir suas regras, sua arquitetura. "Os países em desenvolvimento pensam que queremos enfraquecer o protocolo. É o oposto, queremos fortalecer o processo e criar um acordo mais abrangente."

Questionado se os EUA vão aceitar um acordo semelhante a Kyoto, mas com outro nome, respondeu: "Vamos ver". Mas os EUA não demonstraram grande interesse na proposta europeia.

Na opinião de Yvo de Boer, definir o conteúdo do acordo é mais importante do que sua forma legal. Ele acredita que, primeiro, é preciso se preocupar com as metas de redução de emissão de CO2 e financiamento.

A repórter viajou a convite da Convenção do Clima da ONU


Estadão PME - Links patrocinados

Anuncie aqui

Siga o Estadão




Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo