Divulgação
Divulgação

Laerte é homenageado no maior evento do País

De hoje a domingo, Belo Horizonte (MG) é a capital sul-americana dos quadrinhos. Na antiga Serraria Souza Pinto, mais de 80 cartunistas e experts dos comics fazem oficinas, palestras, debates, autografam e lançam novos gibis na oitava edição do Festival Internacional de Quadrinhos (FIQ), o maior do País.

Jotabê Medeiros, O Estado de S.Paulo

13 Novembro 2013 | 02h23

Ivo Milazzo, de Ken Parker, é uma das estrelas. George Pérez, que já trabalhou em histórias do Batman, Os Vingadores, Quarteto Fantástico e Liga da Justiça, é outro astro.

Mas tem mais: Laerte (o homenageado do ano), Dave Johnson, Boulet, Klaus Janson, Marcatti, Gabriel Bá, Diogo Bercito, Becky Cloonan, Fabio Cobiaco e Fábio Zimbres, entre outros.

São 18 convidados internacionais, 32 mineiros e 35 do resto do Brasil (entre os internacionais, dois países inéditos no FIQ: Turquia e República Democrática do Congo). Pela primeira vez, o festival realiza o que batizou de Rodada de Negócios de Quadrinhos, que é realizada em parceria com o Sebrae, com representantes de editoras da Itália, Estados Unidos e Brasil, que visa receber portfólios e avaliar propostas de publicação de trabalhos.

O FIQ é realizado pela Fundação Municipal de Cultura da Prefeitura de BH. "O FIQ hoje, além de ser o maior festival do país em número de convidados e atrações, e também em longevidade, tem uma importância muito grande por ser um ponto referencial dos quadrinhos, aquele momento para o qual artistas e editores se mobilizam, preparam novas publicações e trocam ideias", afirmou Afonso Andrade, coordenador de quadrinhos da fundação.

Os organizadores estimam que, na edição de 2012, cerca de 150 mil pessoas estiveram no festival. E esperam ampliar o público este ano. Três grandes exposições estarão à disposição na Serraria: Ícones dos Quadrinhos, com cem interpretações de personagens clássicos dos quadrinhos feitas por cem quadrinistas do mundo inteiro; Lélis, tributo ao quadrinista e ilustrador mineiro Marcelo Lélis, que fez parte da comitiva de autores nacionais selecionados para a Feira de Frankfurt; e Laerte, sobre o artista, com curadoria do também quadrinista e filho do homenageado, Rafael Coutinho.  

Notícias relacionadas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.