12:18


15 de Abril de 2010

 

Patrocinado por




Você está em Economia
Início do conteúdo

Mantega diz que governo não atingirá meta fiscal cheia

Economia do País para pagar juros da dívida vai ficar entre R$ 95 bi e R$ 99 bi este ano, diz o ministro da Fazenda

27 de novembro de 2013 | 2h 11
Renata Veríssimo e Laís Alegretti - O Estado de S.Paulo

BRASÍLIA - Mesmo com o mau humor do mercado em relação ao risco fiscal, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, admitiu ontem que o governo não vai cumprir o compromisso estabelecido por ele mesmo na lei orçamentária deste ano. "Certamente, não faremos o (superávit) primário cheio", disse.

Segundo o ministro, a economia do País para pagar juros da dívida pública ficará entre R$ 96 bilhões e R$ 99 bilhões neste ano, a mais recente estimativa fornecida pela equipe econômica para o chamado superávit primário, considerado pelo mercado um termômetro da seriedade do governo com as contas públicas. Mantega citou a responsabilidade de prefeitos e governadores, que não entregarão sua parte no esforço fiscal.

"A conta de Estados e municípios ficará entre R$ 23 bilhões e R$ 26 bilhões. É o número com que estamos trabalhando", disse Mantega. A meta é de R$ 110,9 bilhões, sendo R$ 73 bilhões para o governo central (Tesouro, Previdência e Banco Central) e cerca de R$ 38 bilhões para Estados e municípios. Governadores e prefeitos já pouparam R$ 18,5 bilhões até setembro e devem economizar "R$ 6 bilhões, R$ 7 bilhões ou R$ 8 bilhões" a mais até o fim do ano.

Até a semana passada, a União era obrigada a compensar a parte de Estados e municípios, quando necessário. Porém, a pedido do governo, o Congresso afrouxou a meta fiscal, aprovando o fim da obrigação. Outra inovação neste ano é a possibilidade de o governo contabilizar parte dos cortes de impostos como esforço fiscal.

Promessa. "A meta que eu tenho repetido para vocês é a do governo central, que é de 1,5% do PIB, e mais aquilo que Estados e municípios puderem fazer. Se eles pudessem fazer o primário cheio poderíamos chegar a 2,3% do PIB (R$ 110,9 bilhões). Vamos aguardar para ver o que eles podem fazer", disse Mantega.

Diante das idas e vindas do governo federal sobre os números do superávit primário e do anúncio, por agências de rating, de que a nota do País está em revisão, o mercado passou a apostar no rebaixamento. No início do ano, o governo fixou a meta em 3,1% do produto interno bruto (PIB), mas avisou que poderia abater até R$ 45 bilhões com gastos em investimentos e desonerações de tributos.

Depois, avisou que não mais cobriria eventual descumprimento da meta de Estados e municípios, enviando ao Congresso uma alteração na Lei de Diretrizes Orçamentária (LDO). Com a repercussão negativa e a necessidade de reforçar o compromisso com o equilíbrio fiscal, o governo recuou e disse que garantiria eventual rombo nas contas regionais em até R$ 10 bilhões, resultando num esforço fiscal de R$ 73 bilhões.

Mantega argumentou que o superávit primário ainda deve ser satisfatório e permitirá que a dívida líquida continue caindo. Segundo ele, para manter a situação fiscal na trajetória de solidez, em alguns momentos o resultado primário pode ser "um pouco inferior às metas".

Segundo o ministro, as desonerações e os gastos por causa da seca no Nordeste reduziram as receitas. O governo gastou cerca de R$ 5 bilhões com medidas para ajudar a população e os produtores do Nordeste e estima que as transferências para a Conta de Desenvolvimento Energético (CDE) devem atingir R$ 10 bilhões este ano.





Estadão PME - Links patrocinados

Anuncie aqui


Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo