Ir para o conteúdo
ir para o conteúdo
 • 
Você está em Notícias > Brasil
Início do conteúdo

'Nunca sei se eu realmente estou bem'

Dentista que estava na boate ainda sofre com falta de ar e continua expelindo catarro preto

19 de janeiro de 2014 | 2h 02
Diego Zanchetta - O Estado de S.Paulo

Dos 42 sobreviventes da tragédia na boate Kiss que vão ficar em tratamento médico até o final de 2017, o maior índice de contaminação por fuligem no pulmão foi detectado pelos médicos da Universidade Federal de Santa Maria na dentista Daniele Drogemoller, de 25 anos. Ela perde o fôlego ao falar por mais de um minuto e não consegue andar nem um quarteirão inteiro sem parar para descansar. Toda vez que expele um catarro, tira foto para mostrar aos médicos.

Daniele Drogemoller perde o fôlego ao falar por mais de um minuto - Evelson de Freitas/Estadão
Evelson de Freitas/Estadão
Daniele Drogemoller perde o fôlego ao falar por mais de um minuto

"Continua preto, muito preto, olha a foto", pede a estudante ao mostrar à reportagem fotos em seu celular. "O pessoal da argentina (sobreviventes da tragédia na Boate Republica Cromañón, em 2004, em Buenos Aires, que deixou 194 mortos e 200 feridos) ficou só nove meses com a fuligem e passou. Estou conversando com eles. Mas a minha não passa. Por isso estou preocupada. Eu nunca sei se eu realmente estou bem."

Daniele também não faz mais cirurgias na clínica onde trabalha. "Tenho medo de perder o fôlego no meio, de não conseguir terminar. Nunca mais tive segurança para operar", relata a dentista, que chegou a ter alta na madrugada da tragédia. Na tarde do dia 28 de janeiro, menos de 8 horas após deixar o hospital, começou a ter delírios e foi levada para uma UTI já em estado grave. Intoxicada pela fumaça do incêndio, a jovem estava com a glote quase fechada.

"Só lembro de ter escutado os médicos dizendo: 'nós vamos perder ela'." Daniele ficou 9 dias na UTI e sobreviveu. Ela se considera "abençoada" por não ter ficado com cicatrizes de queimaduras, como outras colegas. Seu namorado, dentista em Sorocaba, no interior de São Paulo, escapou da tragédia sem ferimentos.

Como a maior parte dos sobreviventes, ela também não pensa em pedir indenizações. "Quero retomar minha vida sem depender dos desdobramentos daquele dia."





Tópicos: Boate Kiss, Santa Maria

Estadão PME - Links patrocinados

Anuncie aqui

Siga o Estadão

Fóruns Estadão Brasil 2018 debate educação no Brasil

  • Fóruns Estadão Brasil 2018 debate educação no Brasil
  • O dia seguinte no morro Pavão-Pavãozinho
  • Brasília: monumental na aparência e nas distâncias



Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo