ir para o conteúdo
 • 

Patrocinado por

Você está em Notícias > Política

‘Todos têm tempo para serem perdoados’, diz Darly Alves

Condenado por mandar matar Chico Mendes em 1988, fazendeiro diz que 'nenhum crime compensa'

04 de dezembro de 2013 | 2h 03
Leonencio Nossa - O Estado de S.Paulo

RIO BRANCO - O fazendeiro Darly Alves da Silva, condenado por mandar matar o líder seringueiro Chico Mendes, disse que "o inferno não existe nem para o criminoso". Apegado à religião, Darly afirmou ainda que prometeu a Deus não se vingar de ninguém. Chico Mendes foi morto aos 44 anos com um tiro de escopeta calibre 22 no peito na noite de 22 de dezembro de 1988.

O que ocorreu com o senhor?
Uma caminhoneta me atropelou quando atravessava uma rua. As pessoas que me conheciam disseram: "Seu Darly morreu". Mas estou aqui. Meu caso era de morte. O médico disse que o meu osso é muito duro. (Darly mostra as marcas da cirurgia no quadril e na perna direita). A Bíblia diz: "Estou contigo. Mesmo que você não me conhece estou contigo". Agora, se eu não tenho desejo de fazer vingança contra quem me prejudica, eu entrego para Deus. O mal revolta, entendeu?

Como avalia hoje a sua condenação pela morte de Chico Mendes?
O inferno não existe nem para o criminoso. Todos têm tempo para serem perdoados, não vão nunca para o inferno. É assim. Morrendo, você fica no esquecimento. Aí Deus leva. A pessoa matou, vai ser julgada. Aí a pessoa diz: "Eu não cometi o crime de homicídio". Mas uma voz diz: "Mas você cometeu outro crime". O cair é do homem, o levantar é de Deus. Não estou dizendo que sou uma pessoa santa. Aquele que diz que não peca já é pecador. Sobre o negócio (condenação pela morte de Chico Mendes), eu falei que eu ia sair da prisão. O pessoal não me fez mal porque Deus não deixou. Eu resolvi sair da cadeia quando o advogado me disse que não tinha defesa, que não adiantava, a minha cadeia já estava marcada.

O senhor se pegou à religião?
Uma senhora me disse: "Seu Darly, o senhor é evangélico?" Eu disse para ela que o meu pai já foi crente. Eu mesmo já fui crente até os 16 anos. Nós desviamos. Aí teve uma coisa passada (a morte do irmão) em Minas. Uma pessoa fez mal a meu irmão, matou meu irmão para roubar. Eu não podia dizer que era crente enquanto não fizesse justiça em cima disso aí. A mulher me pediu para perdoar. "Perdoa esse cara, seu irmão não vai voltar. Deus já te perdoou de tantas coisas."

O senhor se arrepende do que fez?
Da minha mão direita não quero ferir ninguém. Com a esquerda não quero ferir ninguém. Também não quero enfiar a mão no bolso para pagar uma pessoa para fazer algum mal. Essa promessa eu não fiz para homem, eu fiz pra Deus. Crime nenhum compensa, nenhum crime. Eu digo para minha família. Nunca aconteça de você sentar para ouvir processo. Para ser salvo, tem que nascer das águas e do espírito. A vingança não pertence a nós. Depois que Jesus veio ao mundo, veio o perdão.

O que ficou de memória do processo?
O processo (do caso Chico Mendes) foi uma experiência dolorosa e mentirosa. Toda vida gostei mais de pagar do que pegar emprestado. Quando pegava emprestado, eu ficava alegre porque o cara me emprestou. Quando ia pagar, tinha o maior prazer. Se era para pagar 10 dias a um trabalhador da minha fazenda e ele dizia que tinha trabalhado 15, eu pagava os 15, porque não gostava que ele saísse falando mal de mim. Sou realista. Quando fui preso, disseram que matei tantas pessoas, tudo conversa mentirosa. As pessoas que eu teria matado estão vivas. Eu provo. A mídia disse que eu matei uns caras, joguei num açude. Lá no meu açude era jogar um anzol e saía uma cabeça.

Como foi a sua chegada ao Acre?
Quando cheguei, o Acre não era conhecido. Quando dizia que morava no Acre, as pessoas perguntavam se era um país estrangeiro. Eu vim para plantar 12 mil covas de café. A Amazônia não é terra de café. Perdi tudo. Vim trabalhar. Aí disseram que eu era bandido. Eu era fanático por café. Mas é o bicho que mija para trás (boi) que leva a gente para frente. Comecei a criar gado.





Estadão PME - Links patrocinados

Anuncie aqui

Siga o Estadão

Cerveró discorda que Pasadena era mau negócio

  • Cerveró discorda que Pasadena era mau negócio
  • Pasadena não foi um bom negócio, diz Graça Foster
  • Candidatos de oposição escolhem São Paulo para sediar campanha



Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo