Ir para o conteúdo
ir para o conteúdo
 • 
Você está em Notícias > São Paulo
Início do conteúdo

Vídeo de morte de traficante na internet deixa PM sob suspeita

Imagens da execução foram parar no YouTube; gravação indica que tiro certeiro foi disparado de hospital abandonado

10 de junho de 2010 | 0h 00
Pedro Dantas / RIO - O Estado de S.Paulo

A divulgação de uma execução no site de vídeos YouTube mudou os rumos da investigação sobre a morte de um traficante no Morro da Fallet, em Santa Teresa, centro do Rio, ocorrida em setembro. A polícia, que atribuía o crime a uma desavença rotineira entre traficantes, agora não descarta o envolvimento de um atirador de elite da PM.

As imagens mostram um homem armado com um fuzil sendo atingido pelas costas, a 300 metros de distância, enquanto caminhava com dois comparsas. As vozes de três homens comemoram o disparo certeiro.

Divulgado na sexta-feira, o vídeo "Fallet nem viu de onde veio" parece ter sido filmado em um dos últimos andares do Hospital IV Centenário, abandonado há três anos. A vista dos fundos do prédio é para a entrada do morro. As vozes de pelo menos três homens são identificadas. Após o disparo, o atirador fala "Que delícia! Peguei mané".

Após a morte do traficante, no mesmo dia, a fachada do prédio foi metralhada. No local, um policial militar ficava de plantão para evitar invasões ao prédio, desocupado há três anos. O 1.º Batalhão de Polícia Militar do Estácio negou qualquer incursão da PM na favela naquele dia.

O traficante morto era Alex Martiniano da Silva, de 31 anos, gerente do tráfico no Fallet. Ele tinha oito anotações criminais, entre elas um homicídio, receptação de produtos roubados, porte ilegal de arma e pelo menos três passagens por tráfico. Segundo o delegado titular da 7.ª DP, Ricardo Codeceira Lopes, a versão oficial da morte de Silva é de que o criminoso foi deixado na porta do Hospital Souza Aguiar e morreu ao ser operado.

O instrutor em armamento, tiro e balística da Polícia Civil Flávio Pacca disse que o autor do disparo parece um especialista. "Pela distância e precisão, trata-se de alguém familiarizado com a arma, um rifle militar, policial ou de caça." Investigadores avaliaram que os homens escolheram o alvo aleatoriamente, pois não há identificação no vídeo.

TRECHOS

"Um, dois três, olha outro mané lá. Tá no muro, deixa ele parar. Olha o gordão, o gordão. Se liga só (...)

No alto ele fica sem cobertura. Cinco, quatro, três, dois (tiro)
Pegou um, pegou um, pegou um"


Vídeo. Assista às imagens da vítima sendo baleada


Estadão PME - Links patrocinados

Anuncie aqui

Siga o Estadão

Haitianos só fazem uma refeição por dia e dormem no chão em SP

  • Haitianos só fazem uma refeição por dia e dormem no chão em SP
  • Fóruns Estadão Brasil 2018 debate educação no Brasil
  • O dia seguinte no morro Pavão-Pavãozinho



Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo