Ir para o conteúdo
ir para o conteúdo
 • 
Você está em Notícias > Internacional
Início do conteúdo

Brasil estuda dar visto de 2 anos a haitianos

Medida buscaria capacitar refugiados a atuar no País em setores como turismo e construção civil

11 de janeiro de 2012 | 21h 45
Lourival Sant'Anna, enviado especial

PORTO PRÍNCIPE - O governo brasileiro estuda a possibilidade de conceder vistos de dois anos para proporcionar capacitação profissional para os haitianos no Brasil em setores como o da construção civil e do turismo. A ideia partiu do Conselho Nacional de Imigração, mas ainda está em estudos. Foi o que informou nesta quarta-feira, 11, o embaixador do Brasil no Haiti, Igor Kipman.

Haitianos buscam delegacia do trabalho para emissão de documentos - Victor Augusto/AE
Victor Augusto/AE
Haitianos buscam delegacia do trabalho para emissão de documentos

Veja também:
linkAcre quer transferir 1,2 mil refugiados para outras regiões
linkSão Paulo vira 'terra prometida' de haitianos
linkONGs veem plano para imigrantes
com
 cautela

"Em vez de dependerem de coiotes no Peru e na Bolívia, eles iriam com visto para o Brasil, num sistema de imigração circular", disse o embaixador ao Estado. "Eles obteriam uma profissão e poderiam voltar para ajudar na reconstrução do país." Como parte da regularização da imigração, o governo estuda também conceder vistos de trabalho aos que já estão no Brasil.

A proposta noticiada na quarta, de criar um limite de cem vistos por mês para os haitianos, seria inócua. A embaixada do Brasil em Porto Príncipe emite apenas de 15 a 20 vistos mensais - incluindo os de turismo, trabalho, estudos, participação em conferências, etc. Os cerca de 4 mil imigrantes haitianos no Acre e no Amazonas entraram no País clandestinamente, atravessando o Caribe em barcos precários. Passam por Panamá, Equador e Peru, para de lá seguir para o Brasil, às vezes passando pela Bolívia, com a ajuda dos coiotes.

A fuga de haitianos é impulsionada pela frustração com o ritmo lento da reconstrução do país após o terremoto de 12 de janeiro de 2010, que destruiu cerca de 300 mil casas. Na véspera do segundo aniversário do terremoto, aproximadamente 2 mil pessoas participaram ontem de uma manifestação exigindo casa e emprego. Eles atravessaram a cidade caminhando e foram até o Parlamento, onde entregaram um documento exigindo mais transparência na destinação dos recursos da ajuda humanitária internacional - até agora, US$ 4 bilhões (US$ 1,6 bilhão na assistência emergencial e US$ 2,4 bilhões em projetos de longo prazo).

"Achamos inaceitável que, dois anos depois do terremoto, entre 500 mil e 600 mil pessoas ainda estejam vivendo em acampamentos só em Porto Príncipe", disse ao Estado o cientista político Jean-Claude Fignolé, diretor da Action Aid, uma das dez organizações não-governamentais que organizaram o protesto. "Sem contar os migrantes que estão morando em áreas rurais hospedados com famílias e exercendo tremenda pressão sobre os recursos locais, sem planejamento e medidas adequadas para acompanhar esse fluxo de pessoas."

"Acho que na fase humanitária da emergência pós-terremoto a comunidade internacional, o governo haitiano e as organizações não governamentais fizeram um bom trabalho em proporcionar assistência", ponderou Fignolé. "O problema é que ficamos presos numa fase de transição. Não fomos capazes de avançar da assistência para o trabalho de reconstrução. Daí o número de pessoas nas ruas, a falta de empregos."

Parte do problema foi a desconfiança da comunidade internacional em relação ao governo do ex-presidente René Préval e o receio de que os recursos fossem desviados. "A percepção pública é a de que pode haver uma nova energia, uma nova dinâmica", reconheceu Fignolé, referindo-se ao governo do presidente Michel Martelly, eleito em março, que só em outubro conseguiu aprovar no Parlamento a nomeação de um primeiro-ministro, o médico Garry Conille, que trabalhou em projetos de desenvolvimento da ONU, foi assistente do ex-presidente americano Bill Clinton, enviado especial das Nações Unidas ao Haiti, e é respeitado pela comunidade internacional.

"Apesar disso, falta participação haitiana", analisa o cientista político. "É por isso que estamos realizando essa marcha. Para exigir transparência. Quais são as cifras, como e em que foi gasto o dinheiro, por que não fomos parte desse processo?" Além disso, ele considera necessário criar uma nova legislação sobre a propriedade de casas e de terras, e um órgão do governo que possa executar as políticas previstas nessa nova lei. A desorganização dos registros de propriedade tem dificultado os projetos de reconstrução.






Estadão PME - Links patrocinados

Anuncie aqui



Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo