Ir para o conteúdo
ir para o conteúdo
 • 
Você está em Notícias > Internacional
Início do conteúdo

Intérprete de surdos em funeral de Mandela atribui erro à esquizofrenia

Thamsanqa Jantjie pede desculpa por tradução mal feita, mas diz conhecer linguagem de sinais

12 de dezembro de 2013 | 8h 48
O Estado de S. Paulo

JOHANESBURGO -Thamsanqa Jantjie, o intérprete de linguagem de sinais acusado de inventar a tradução simultânea do discurso de líderes mundiais durante o memorial de homenagem a Nelson Mandela, disse nesta quinta-feira, 12, que sofre de esquizofrenia.

Intérprete errou tradução de discurso de Obama - Reuters
Reuters
Intérprete errou tradução de discurso de Obama

Segundo ele, no momento em que traduzia o discurso do presidente americano, Barack Obama, ele viu anjos descendo do céu e tentou não entrar em pânico. Por isso, errou. O intérprete pediu desculpas por sua performance no memorial.

"Não tinha nada que eu podia fazer. Eu estava sozinho numa situação muito perigosa. Eu tentei me controlar e não mostrar ao mundo o que estava acontecendo", disse Jantjie ao jornal Star, de Johanesburgo. "Eu sinto muito."

O intérprete, de 34 anos, diz não saber o que provocou o ataque de esquizofrenia, mas garantiu que toma seus remédios em dia. Jantjie também garantiu que conhece a linguagem de sinais padrão usada na África do Sul. "Com certeza absoluta", disse. Sou campeão de linguagem de sinais."

O trabalho de Jantjie foi criticado ontem por associações de surdos-mudos sul-africanos. Para Wilma Newhoudt, surda-muda, deputada sul-africana e vice-presidente da federação, o caso foi "vergonhoso". Ela havia usado o Twitter durante a homenagem para pedir que retirassem Jantjie de lá. "Por favor, façam-no descer", escreveu. Em outro tweet, ela esbravejou: "Que vergonha esse homem que se chama intérprete no palco. O que ele está sinalizando? Ele sabe que surdos não podem vocalmente vaiá-lo".

Segundo Delphin Hlungwane, intérprete oficial da Federação de Surdos da África do Sul, o Jantjie não conhece a linguagem dos sinais que fingiu interpretar. "Ele gesticulava e apenas mexia as mãos para todos os lados, sem nenhuma gramática, sem utilizar nenhuma estrutura. Ele não conhecia nenhuma regra da língua", analisou. "Ele não traduziu nada, porque nenhum de seus gestos fazia nenhum sentido." / AP e REUTERS





Tópicos: Nelson Mandela

Estadão PME - Links patrocinados

Anuncie aqui



Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo