Alessandra Tarantino/Associated Press
Alessandra Tarantino/Associated Press

Lugo se envolve em novo escândalo de paternidade

Sobrinha do presidente paraguaio afirmou que ele foi assistir ao casamento de uma filha de 22 anos

Reuters

24 Novembro 2009 | 14h51

O presidente do Paraguai, Fernando Lugo, ex-bispo católico que já enfrenta dois processos por reconhecimento de paternidade, se viu envolto na terça-feira, 24, em nova polêmica quando uma sobrinha afirmou que ele teria uma filha não reconhecida de 22 anos.

Em abril deste ano Lugo reconheceu ser pai de um menino de 2 anos, concebido quando ainda era sacerdote. Desde então, as denúncias de paternidade o perseguiram, prejudicando sua imagem de governante honesto e afetando sua popularidade, no segundo ano de seu mandato.

Mirta Maidana, filha da primeira-dama e sobrinha de Lugo, afirmou à mídia local que a jovem de 22 anos, a cujo casamento Lugo compareceu no fim de semana, frequenta a residência presidencial e tem enorme semelhança física com o presidente.

Maidana, que frequentemente critica o presidente porque considera que ele deixa sua família de lado, privilegiando outras pessoas, garantiu que a mãe da moça participava de eventos familiares ao lado de Lugo e que todos tinham conhecimento da relação.

"Ela é parecidíssima, ele não vai negar que ela seja sua filha, porque têm a mesma cara", disse Maidana à rádio Caritas. "Ela (a mãe) o acompanhava nas viagens dele e em outras reuniões familiares e sociais. Ela sempre esteve muito próxima do presidente e compartilhou muitos momentos familiares."

A mãe da jovem disse que o assunto é particular e se negou a comentá-lo. "Tenho todo o direito de manter esse assunto em particular", declarou Teresita de María Rojas ao jornal ABC. O jornal disse, também, que o marido da jovem, que tem o sobrenome da mãe, foi contratado pela Entidade Binacional Yacyretá com um salário equivalente a quase quatro salários mínimos.

Fernando Lugo já enfrenta dois pedidos de reconhecimento de paternidade, o último dos quais apresentado no mês passado, que exigem o reconhecimento de duas crianças, de 2 e 6 anos. Seu governo passa por um período de instabilidade devido às ameaças da oposição de abrir um julgamento político.

O advogado do presidente, Marcos Fariña, disse que a acusação é uma desculpa para "enlamear" a imagem de Lugo.

Mais conteúdo sobre:
Paraguai paternidade escândalo Lugo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.